quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024

DINHEIRO É COMPATÍVEL COM ESPIRITUALIDADE?

 


 Por Dora Incontri

Diariamente, assistimos no Brasil, ao crescimento e ao domínio de um certo neopentecostalismo, que tem expressão bizarra, explorando a fé do povo, com pastores se enriquecendo desmedidamente. São os Malafaias e Edir Macedos da vida que arrancam o dízimo dos mais pobres (e muitas vezes mais do que o dízimo) e fazem um comércio descarado da fé. E traem o próprio espírito da Reforma, que nasceu como oposição ao mercado das chamadas indulgências, que a Igreja católica praticava então.

domingo, 18 de fevereiro de 2024

AONDE ESTARÁ O ESPAÇO DA PAZ?

 

Por Roberto Caldas

        Corações e mentes inquietas acompanham o passar de mais uma noite sem conseguirem silenciar angústias e medos diante da expectativa de um  despertar do sol, cujo dia raiado projeta agruras, infortúnios, desventuras. Muitos há que perambulam as vielas do mundo sob a perseguição de sofrimentos inimagináveis por aqueles que lhes desconhecem a realidade espinhosa. São os filhos da fome, da guerra, do egoísmo e da ambição humana.

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2024

ISRAEL E PALESTINA - UMA GUERRA SANTA?¹

 

Por Dora Incontri

Um aspecto muito peculiar em minha trajetória de vida é o trabalho de diálogo inter-religioso, que inclui judeus e muçulmanos, Rabinos e Sheiks, e por isso considero intolerável tanto sangue derramado entre esses lados ou quaisquer outros. Assim devo dizer que enfrentei conflitos internos (de ordem afetiva) para escrever sobre esse tema, mas resolvi vencê-los, porque estava me sentindo tomada por culpa de covardia e omissão, se não tecesse algumas reflexões. Apesar do fato de que qualquer escrito pouco serve para ajudar a parar a matança sem medida que está sendo praticada contra crianças, mulheres e toda uma população indefesa da faixa de Gaza. Ontem, as notícias de novo bombardeio, justo onde estavam os refugiados, na fronteira do Egito, de milhares de pessoas encurraladas, acendeu-me nova indignação. Pelo menos, ao escrever, lamentar, criticar, conclamar à paz, podemos deixar um registro histórico para o futuro de que havia pessoas no mundo, que se importavam. E há muitas! Admirável a constância de dois influenciadores que sigo nas redes sociais, incansáveis, firmes e corajosos em tais denúncias: Hildegard Angel e Thiago Ávila.

terça-feira, 13 de fevereiro de 2024

A FISIOLOGIA DA DESENCARNAÇÃO - PARTE I

 

Por Jerri Almeida

“Por ser exclusivamente material, o corpo sofre as vicissitudes da matéria. Depois de funcionar por algum tempo, ele se desorganiza e decompõe. O princípio vital, não mais encontrando elemento para sua atividade, se extingue e o corpo morre. O Espírito, para quem, este, carente de vida, se torna inútil, deixa-o, como se deixa uma casa em ruínas, ou uma roupa imprestável.”

(Allan Kardec, A Gênese, Cap. XI, item 13)

domingo, 11 de fevereiro de 2024

AINDA TANTOS ABISMOS?

 

Por Marcelo Henrique

Há muitas décadas – quase quatro – convivo nas diversas “ambiências” espíritas.

Neste tempo todo, tive a oportunidade de conhecer (quase) todos os “guetos” espíritas – o termo não é pejorativo, mas apenas simboliza a distância (provocada e real) entre os segmentos que se utilizam da Filosofia Espírita como referência conceitual.

Cada qual possui a SUA verdade e é inconciliável qualquer tentativa de pactuação em torno de trabalhos conjuntos ou ações comuns.

terça-feira, 6 de fevereiro de 2024

O PUNITIVISMO DAS RELIGIÕES¹

 

Por Dora Incontri

Desde o momento em que nascemos, estamos enredados numa sociedade que procura nos condicionar o comportamento na base de castigos e recompensas: desde a criança ser posta “para pensar” no quarto ou no canto da sala de aula (verdadeiro horror que passa a mensagem de que pensar é castigo), até além da vida, a promessa de punição do fogo do inferno ou nas doutrinas reencarnacionistas, o resgate cármico através de múltiplas existências. Na educação, a recompensa de presentes e para depois da morte, o paraíso com harpas. Somos tão condicionados a essa forma de raciocínio justiceiro e de barganha, que torcemos o tempo todo pela destruição do outro, que julgamos mau, ou empunhamos em nós mesmos o autoflagelo da chamada culpa cristã. A motivação consumista da vida capitalista é outra forma infantilizada de auto recompensa se formos bonzinhos e trabalharmos bem.

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2024

PROPÓSITO, VONTADE E DECISÃO

 

Por Roberto Caldas

Escolhas exibidas no decorrer de uma existência esbarram numa tríade de palavras que conferem materialidade aos atos e comportamentos de cada um. Propósito, Vontade e Decisão são grandezas interiores que estabelecem as condições para que a ideia se torne construção. O Propósito fala sobre a ideação que projeta um desejo de realização. A Vontade funciona como uma força mista que envolve o desejo e a necessidade de chegar-se a um objetivo. A decisão representa a força interna que alia propósito à vontade e busca no fermento da atitude fazer surgir o produto final da realidade pretendida.

sábado, 3 de fevereiro de 2024

SEVERIDADE DAS LEIS

 

Por Doris Gandres

Hoje vemos as autoridades competentes dedicarem-se a proporcionar à sociedade maior cobertura legal e jurídica por meio de leis mais rigorosas, exigindo de seus executores em todas as instâncias mais atenção e empenho na sua aplicação criteriosa e imparcial.

Isso de certa forma nos satisfaz, enquanto que, ao mesmo tempo, nos entristece. Se por um lado essa observância mais eficaz tem-se demonstrado capaz de atingir até mesmo aqueles que até a pouco estavam – ou julgavam estar – acima da lei, regozijando-se com a impunidade flagrante, por outro lado vem mostrar claramente o quanto ainda somos uma sociedade necessitada de “rédeas curtas”, “cabresto apertado”.

quarta-feira, 31 de janeiro de 2024

VESPEIRO ESPÍRITA

 


Por Jerri Almeida 

O texto recente, sobre “minha” decisão de não assistir Nosso Lar-2 terminou sendo compartilhado em outros grupos espíritas, inclusive, alguns "progressistas". O fato é que, se eu estivesse vivendo no século 13, por exemplo, já estaria na fogueira, condenado pela inquisição. Felizmente, estamos no século 21.

terça-feira, 30 de janeiro de 2024

NOSSO LAR 2 - AS CRÍTICAS E AS CONTROVÉRSIAS¹

 

Por Dora Incontri

Não posso me furtar a focar um tema eminentemente espírita no artigo dessa semana, porque estão por toda parte os debates, as críticas e os elogios ao novo filme Nosso Lar 2 – Os Mensageiros, além de um expressivo comparecimento do público nos primeiros dias de exibição. Trata-se de assunto complexo, que apresenta diversas camadas de apreciação – se não quisermos meramente falar do filme como um panfleto piegas de um espiritismo aferrado ao religiosismo adocicado, que aliás não era o proposto por Kardec, o fundador.

domingo, 28 de janeiro de 2024

NÃO ASSISTIREI "NOSSO LAR-2"

 

Por Jerri Almeida

Sou um sujeito cartesiano demais!  Nosso Lar-1, fui ver no cinema. Tive a impressão de estar assistindo um filme de terror: umbral, trevas, fiquei impactado negativamente. Teologia do medo? Parecia! Um médico, com vícios e virtudes, como qualquer ser humano, foi parar oito anos numa região de sofrimento por qual motivo? Foi um assassino? Um genocida? Um torturador? Um psicopata? Não, foi apenas um ser humano! Estranho isso, não?  Pra mim, sim!

quarta-feira, 24 de janeiro de 2024

FELICIDADE SOCIAL E CIDADANIA NO PENSAMENTO ESPÍRITA

 

Por Jerri Almeida

Governos despóticos, tiranos, absolutistas, autocráticos e ditatoriais são, por natureza, nocivos aos direitos humanos. Impõem censura, estruturas de repressão, intolerância e controle social, implementando a tortura e a morte como políticas de Estado. Nosso filósofo depositava grande esperança nos governos democráticos e no papel dos cidadãos. Estar no mundo é assumir, como lembrou Deolindo Amorim, reconhecido pensador espírita, compromissos diante das contingências sociais.

domingo, 21 de janeiro de 2024

TRANSCENDER AO HUMANO

 

Por Roberto Caldas

            Viver a espiritualidade em sua essência não é tarefa fácil. Grupos humanos, apressados em viver da forma mais satisfatória e imediatista, arvoraram-se aos domínios do pensamento espiritual lançando os seus tentáculos ao mercado da fé. A sociedade humana resolveu, no seu afã de viver plenamente o momento, criar um mundo paralelo e descartável. A desconexão entre a rotina e o sagrado acaba por produzir comportamentos que se contradizem como se a espiritualidade e a materialidade fossem espaços estanques e desvinculados.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2024

DEMOCRACIA BRASILEIRA, A VÍTIMA

 

Por Ana Cláudia Laurindo

Aqui manifestamos vozes independentes!

Os conteúdos analíticos que caracterizam nosso trabalho não seguem jargões, nem vai com as outras, nem com os outros, porque a carência de aceitação não permeia nossos escritos.

Para quem é bom interpretador de texto fica óbvio que tratamos com seriedade o que escrevemos e falamos, e neste bojo, fortalecemos o compromisso com as ciências da sociedade, algo que muito nos interessa enquanto ofício e prática de vida social.

domingo, 14 de janeiro de 2024

HORA DIVINA

 

 Por Carlos Augusto Guimarães

Cego de luz e tonto de ideal,

Vivo,,, Quando sou noite acendo estrelas,

Quando dia sou, ajudo a rendê-las,

Pois, com a luz do sol, sou luz sem igual.

PANDEMIA SOCIAL

 


 Por Doris Gandres

Deolindo Amorim, autor de inúmeros livros e incontáveis artigos em jornais e revistas espíritas e não espíritas, fundador do Instituto de Cultura Espírita do Brasil e da Associação Brasileira de Jornalistas e Escritores Espíritas (ABRAJEE, hoje ABRADE), assegura com muita propriedade, em seu livro “O Espiritismo e os Problemas Humanos”, capítulo Definição e Opção que: “O Espiritismo é, para nós, uma filosofia de vida, não é simplesmente uma crença”.  E continua afirmando, no capítulo II – Entre Deus e César, que: “o pensamento social da doutrina espírita ainda não foi descoberto em sua plenitude.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2024

DOUTRINA DA ILUMINAÇÃO

 

Por Roberto Caldas

            A característica que mais aproxima e ao mesmo tempo mais afasta as pessoas da Doutrina Espírita é a sua condição de desmistificar ou mesmo desmitificar situações que durante muitos anos, milênios até se constituíram em tabus extremamente poderosos no ideário dos grupamentos humanos. Os receios alimentados nas relações entre o homem e o imponderável geraram a certeza de haver um mistério impenetrável  que colocavam em risco a vida ou a sanidade de quem quer que intentasse transpô-lo.

sábado, 6 de janeiro de 2024

REGOZIJEMO-NOS!

 


Regozijemo-nos!

Articulistas, seguidores e leitores do blog Canteiro de Ideias, que nessa semana ultrapassou a marca de um milhão de visualizações.

Continuemos juntos e fortalecidos no propósito da divulgação da Doutrina Espírita.

"DE VOLTA À TERRA DO NUNCA - Um olhar para a Infância e Juventude Espíritas

 

Por Valnei França

                “Então, já de início percebemos que o tema central de Peter Pan gira em torno da descoberta infantil de que não será criança para sempre e a angústia e o medo gerados por esse entendimento. O ego, na psicologia analítica, é o que nos dá a noção do ‘eu’, daquilo que somos, desejamos e sentimos. E ele possui uma base somática, ou seja, possui um aspecto de identificação com o corpo. Por essa razão, quando nos damos conta de que somos um sujeito, passamos a ter o sentido de finitude, e isso é bastante assustador” (1).

quarta-feira, 3 de janeiro de 2024

OUVIR OU ESCUTAR: EIS O "X" DA QUESTÃO!

 


 Por Jorge Luiz

Um nativo da América e seu amigo caminhavam em Nova York e próximo ao Times Square, em Manhattan, na hora do rush, por volta do meio-dia, as ruas estavam muito cheias. O ambiente era dominado pelos sons das buzinas e o “cantar de pneus” dos carros dobrando as esquinas. De repente o nativo disse:

- “Eu ouvi um grilo”.

Seu amigo perplexo e espantado, exclamou:

- “O quê! Você deve estar louco. É simplesmente impossível conseguir ouvir um grilo no meio de todo esse barulho...”

segunda-feira, 1 de janeiro de 2024

É POSSÍVEL DESEJAR FELIZ 2024 AO BRASIL?

 


Por Ana Cláudia Laurindo

Desejar felicidades na virada de ano, é uma bela expressão de empatia!

Seria até mesmo deselegante afirmar o contrário, pois este exercício afetivo precisa ser mantido entre o povo brasileiro em tempos de ódio, quando tantos se tornaram irreconhecíveis aos amigos de infância e familiares por causa de ideologias fundamentalistas, extremistas de direita e intolerantes à diversidade de seres e comportamentos humanos.