sábado, 29 de setembro de 2012

ESTÁ NA HORA DE PENSAR 2013




 Por Francisco Castro (*)


A Casa Espírita, segundo o Art. 44, inciso IV, do Código Civil Brasileiro, Lei 10.406/2002, é uma Organização Religiosa, mesmo que na sua carta estatutária ainda seja denominada de associação.
Como organização deve ter uma estrutura administrativa composta de um corpo de associados, assembleia geral e um órgão diretivo. Essa estrutura organizacional em pouco ou nada difere das organizações empresariais.
Nessa época do ano, final do terceiro trimestre, as organizações empresariais encontram-se a braços com o planejamento do próximo exercício, fazendo projeções, definindo prioridades, estabelecendo metas a serem atingidas no ano vindouro.
As organizações de grande porte além de planejarem o próximo exercício, geralmente chamado de planejamento operacional, aproveitam para atualizar o plano estratégico que envolve um período de cinco anos ou mais.
Guardadas as devidas proporções, as Casas Espíritas também devem utilizar  ferramentas organizacionais como planejamento, projetos e orçamentos.
O planejamento, nesse caso, deve envolver a casa (estrutura física), os trabalhadores (estrutura humana), e seus objetivos como instituição espírita (estrutura doutrinária), não necessariamente nessa ordem.
Salientamos que, em matéria de planejamento, não podemos esquecer algumas palavrinhas chaves: o que, quando, quem, como e quanto vai custar.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

QUEM NÃO SE COMUNICA...



                                                           

            Há 155 anos a Doutrina Espírita vem consolidando a sua credibilidade no mundo, sobretudo, porque as descobertas científicas têm caminhado, passo a passo, com muitas das verdades já há tanto propagadas por Kardec.  Avançamos. Se ontem as pessoas corriam dos espíritas, hoje correm para nós, atrás das respostas que só “o Consolador” pode dar.
           Mais que nunca é preciso divulgar o Espiritismo e isto implica, entre outros, no uso da palavra escrita e falada. Mas divulgar não é empurrar material doutrinário goela abaixo. Divulgar é antes de tudo comunicar-se, estabelecer empatia imediata com o receptor, despertar interesse inicial, contínuo e gradativo pelo material apresentado, é fazer-se entender e sentir. Assim, há que se ter uma abordagem minimamente adequada para que se consiga tocar a alma e chegar à razão.
         Nesse ponto, faz-se urgente uma reflexão. Conseguiremos nós, espíritas, em pleno século XXI, alcançar corações e mentes sem atualizar nossas formas de comunicação?
        A pretexto de fidelidade doutrinária campeia entre nós um linguajar monótono e obsoleto. Incrivelmente, ainda há quem acredite que ser fiel à codificação se resume à manutenção da linguagem utilizada pelo codificador no século retrasado. Reflitamos, é no mínimo incoerente imaginar que Kardec, o reformador por excelência, o modernizador da gramática francesa de então, o homem à frente de seu tempo, espere dos espíritas uma atuação alheia à realidade de cada época.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

ANIVERSÁRIO DE NASCIMENTO DE HERCULANO PIRES





 

Hoje comemoramos o aniversário de nascimento de José Herculano Pires - 25.09.1914, e não haveria melhor maneira de homenageá-lo senão com fatos da sua vida contados pelos seus familiares.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

UNIFICAÇÃO OU ECUMENISMO?



“Tenho ainda outras ovelhas que não são deste aprisco; é preciso também a essas eu conduza; elas escutarão a minha voz e haverá um só rebanho e um único pastor. Jesus ( Jo, 10:16)






            A Ilíada de Homero (750 a. C.), uma das epopéias da literatura grega, oferece-nos o episódio do cerco a que foi submetido os troianos, e que durou cerca de 10 anos, somente vencidos em decorrência da astúcia do herói Ulisses, que constrói grande cavalo de madeira, abandonado às portas de Tróia, após fingir retirada. Apesar dos presságios de Cassandra, o cavalo é introduzido na cidade que trazia em seu ventre os guerreiros de Ulisses. Aberta as portas, os gregos investem sendo Tróia completamente saqueada e destruída.
          Classifico o episódio de suma importância para nos incitar a reflexões profundas acerca do momento que atravessa o Movimento Espírita.
           As notícias que temos, não só no Ceará, como também aos quatro cantos do Brasil, dão-nos conta da inclusão de palestras de outras doutrinas em nossas atividades ou eventos sob pretexto ecumênico. As iniciativas da espécie merecem o devido cuidado e um profundo senso doutrinário quanto aos assuntos que deverão ser abordados nessas programações, desde que em evento de pluralismo-ideológico, em espaço público.  
            O frequentador da Casa Espírita a procura na ânsia de conhecer a Doutrina Espírita. Parte das instituições espíritas ainda não atende essa necessidade plenamente em decorrência de carências múltiplas, inclusive programação doutrinária de profundidade.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

COMO AGIR AOS ATAQUES AO ESPIRITISMO



Por Alkíndar de Oliveira (*)

                Ligue sua televisão pela madrugada. Com o seu controle escolha aquele canal em que um líder religioso está entrevistando uma pessoa do povo. Você vai ouvir mais ou menos o seguinte diálogo:
 “ -  Então a senhora se arrependeu de ter sido espírita?
- Sim, me arrependi. Foi um dos momentos de minha vida em que tudo dava errado e eu não sabia por quê.
- E agora que a senhora está em nossa Igreja, como está sua vida?
- Agora, com Jesus no meu coração, tudo mudou. Consegui emprego, consegui comprar minha casa própria e sou uma pessoa muito mais feliz.
- Então o Espiritismo prejudicou a senhora?
- Prejudicou. Hoje eu vejo que o Espiritismo é coisa de demônio. Se pudesse diria para todos os espíritas conhecerem a nossa Igreja onde Jesus é o nosso Mestre e Senhor. “Os espíritas precisam enxergar que o seu mestre é o demônio.”
             Depois de ouvir tudo isso, nós espíritas ficamos a imaginar:
            “Que desconhecimento em relação ao Espiritismo!”.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

EM TEMPOS DE SOLIDÃO




 Por Joana Abranches (*)


                  Num momento em que epidemias e pandemias roubam a cena nos noticiários, uma doença silenciosa, há algum tempo sutilmente instalada no meio de nós, continua causando estragos não menos danosos que as enfermidades anunciadas. Sim, na sociedade dos “sem tempo”, do individualismo e das relações descartáveis, um dos males do século é a solidão.
            Aqui e ali, jovens e “adolescentes retardatários” - contingente cada vez maior de pessoas entre os 20 e os 40 anos de comportamento infantilizado - se acotovelam em noitadas regadas a muito chopp, vodca e ou drogas sintéticas. Nos barzinhos e danceterias, entram em bandos, “ficam” com muitos e saem com muito pouco... Mais sozinhos e perdidos do que nunca. Daí a imprescindível reincidência cotidiana no enganoso jogo do freqüentar. Freqüentar significa a chance de estar na vitrine e encontrar companhia. Companhia qualquer, que no dia seguinte jaz exibida como troféu em redes sociais e blogs, nas fotos repetitivas dos sorrisos forçados sempre emoldurados pelo copo ou pela latinha exibidos orgulhosamente numa das mãos, enquanto a outra automaticamente faz sinal de positivo, ou outro qualquer – conforme a tribo – pra ilustrar a pseudo-alegria de mais uma noite vazia e igual. 

domingo, 16 de setembro de 2012

ADVERSÁRIOS E JUÍZ... QUEM SÃO?



“Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão. Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último ceitil”. Mateus (5:25-26)

 Por Roberto Caldas  (*)



                A Doutrina Espírita nos inspira a identificar nas palavras de Jesus uma mensagem que não ficou estagnada à época em que foi proferida. Ele próprio nos chama a atenção para essa verdade quando assevera que o Céu e a Terra haverão de passar, mas NÃO AS SUAS PALAVRAS. Cabe-nos como os cristãos modernos, enriquecidos pela luz esclarecedora do Espiritismo, o aprendizado de avaliarmos as suas assertivas em um contexto que faça justiça aos conhecimentos absolutamente superiores que nortearam todas as sentenças que porventura tenha expressado.
Nesse contexto é possível considerar que jamais houve em Jesus qualquer intenção de colocar em mãos alheias o controle sobre as nossas vidas e destinações. Os seus ensinamentos buscavam incansavelmente o ajuste individual para fazer frente às responsabilidades diante dos próprios atos, conforme se encontra descrito em Mateus 16:27. A lógica se contrapõe a entendermos ao pé da letra que Jesus tenha se referido aos termos adversários e juiz dentro da compreensão trivial que fazemos delas.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

PENSO, LOGO SOU!





“Pedir que os outros pensem com a nossa cabeça seria exigir que o mundo se adaptasse aos nossos caprichos, (...).” (Espírito Emmanuel)



Por Jorge Luiz (*)





Allan Kardec em a Revista Espírita de janeiro de 1867, afirma que todo homem que não se guia pela fé cega é, por isto mesmo, livre-pensador. A esse título os espíritas também são livres-pensadores. No entanto, ele faz uma distinção bem clara entre os espíritas e aqueles que são chamados os radicais do livre pensamento, numa acepção mais restrita.
            O Espiritismo estruturado em uma filosofia espiritualista, e sendo a filosofia o debruçar-se sobre si mesmo, não haveria uma denominação tão adequada.
            A liberdade de pensamento é bem clara na questão nº 833 de “O Livro dos Espíritos” quando os Reveladores espirituais afirmam que “é pelo pensamento que o homem goza de liberdade sem limites...”
            A Doutrina Espírita é uma doutrina dialógica, estruturada na reflexão e no debate. Não fosse Kardec um livre-pensador o Espiritismo não teria sido organizado e sistematizado pelo método da observação e da razão. Portanto, o Espiritismo é uma doutrina do livre-pensar, pois toca de perto todos os gêneros do conhecimento humano. Daí a expansibilidade que ela oferece ao espírita para exercer toda a sua potencialidade do livre-pensar.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

OS ESPÍRITAS FAZEM PROSELITISMO?




 Por Francisco Castro (*)




Se entendermos que fazer proselitismo é montar barracas em praça pública, fazer pessoas assinar fichinha, ou ter que fazer promessa de aceitar essa ou aquela religião? Por outro lado, se entendermos que fazer proselitismo significa fazer visitação porta a porta no sentido de convencer alguém, ou de fazer com que uma pessoa tenha que aceitar essa ou aquela religião? Ou, ainda, de dizer que essa ou aquela religião é a verdadeira, ou de que essa ou aquela religião está errada? Não. Não, os Espíritas não fazem proselitismo!
Mas, se entendermos que fazer divulgação da existência da alma, da reencarnação, da comunicabilidade dos Espíritos, da Doutrina dos Espíritos, do Ensino Moral de Jesus e de que ele é modelo e guia da humanidade e não de certa parcela de uma nacionalidade ou de uma religião? A resposta é sim! Os Espíritas fazem proselitismo sim!
Qual seria então a razão de termos essa grande quantidade de jornais e revistas espíritas; de programas de rádio e televisão difundindo exclusivamente idéias espíritas; de cursos oferecidos pelas Casas Espíritas desde a Evangelização Espírita Infanto-Juvenil, Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita, Estudo e Educação da Mediunidade, Seminários e Congressos Espíritas, Livrarias e Feiras de livros Espíritas e a grande distribuição de mensagens Espíritas levando orientação e consolo indistintamente a qualquer pessoa? Sem pedir que assine fichinha, ou que deixem essa ou aquela religião? Se não for para fazer proselitismo?

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

LÍDERES E LIDERADOS




Por Gilberto Veras (*)




Eu sou o caminho, a verdade e a vida,
ninguém vai ao Pai,
senão por mim (Jesus Cristo)”.

            Jesus Cristo, líder, modelo e guia da humanidade, Espírito Perfeito em moral e intelectualidade, plena harmonia com as leis divinas, conjunto natural (sentimentos, pensamentos e obras) em atividade integrada e excelente, movida pela luz do amor e da razão.  
            A função do líder humano deve se espelhar no exemplo cristão, tomando o excelso mestre como referencial, jamais com a pretensão ilusória de similaridade, pois a distância do grau de adiantamento Dele para o nosso chega à beira do infinito.
            Em proporções possíveis e compatibilizadas, o perfil do líder vitorioso neste mundo de nossa morada deve contar com:

  • sentimento – sensação emocional que o remete ao próximo por força moral lançada da alma pelas virtudes essenciais herdadas do Todo-Amoroso;

  • intelectualidade – instrução necessária ao exercício do oficio;

  • operacionalidade – ato de realizar projetos e produtos.

sábado, 8 de setembro de 2012

CHAMADO VIRIL





 Pelo Espírito J. Herculano Pires (*)

Os espíritas não têm a consciência do momento histórico que vivem hoje e da responsabilidade que assumiram, no sentido de dar sequência natural ao curso deste moto contínuo de transformação moral e existencial, na busca da renovação de valores: única forma de espantar, em definitivo, os fantasmas da alienação, da irresponsabilidade e do desequilíbrio, tão disseminados neste momento, em nosso planeta.
O movimento espírita, infelizmente, jaz adormecido e acomodado, na pachorra dos estacionamentos de pedintes esfaimados, indolente aos estímulos revivescentes emanados das páginas luminosas da Codificação Kardeciana e enfunados pelos grandes emissários divinos, em seu esforço permanente e otimista, à espera de uma reação positiva.
Permanece imobilizado em comportamento ditado pelas tendências do passado, na busca do alcance da condição de privilegiado, não raras vezes, através da política de favores pessoais e permutas pueris.
Estaciona em uma posição de mentalidade estreita e mesquinha, mantenedora de atitude “feijão com arroz”, apenas suficiente para a saciedade do estômago e nada mais.
Isso tudo – somado às expectativas quase que exclusivas da obtenção de vida fácil, na fuga do bom combate, sob as escusas invariáveis da carência de possibilidades –, impede-o de atentar para a profundidade doutrinária e o significado transcendente e providencial do Espiritismo no mundo.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

TRABALHANDO OS TRABALHADORES





      

 Por Joana Abranches (*)




            Uma das coisas mais complexas no cotidiano de uma Casa Espírita é administrar as diferenças comportamentais entre os trabalhadores. Aqui e ali, por um motivo ou por outro, pipocam os atritos e melindres muitas vezes encobertos pelo silêncio em nome da “caridade”, mas evidentes nos olhares atravessados, nos recadinhos indiretos e, não raro, no afastamento inexplicável daquele companheiro que parecia tão entusiasmado... Quando chega a esse ponto é que a guerra de personas já atingiu o seu ponto máximo.
            Não desanimemos. Onde há gente há problema. Graças a Deus!... Porque conviver significa oportunidade impar de crescimento. É preciso apenas saber identificar, respeitar e integrar as diferenças, repensando o conceito ilusório de que para figurar no seleto rol dos “escolhidos”, todos têm que estar aptos e disponíveis, todo o tempo, a todo o tipo de tarefa na Casa Espírita. Estereótipos solapam a autenticidade e favorecem a hipocrisia.
            Somos diferentes e isso obedece a um propósito Divino. Aquilo que é fácil pra mim já não é para o outro e vice-versa. Sabemos que é a diversidade das flores que confere harmonia e beleza a um jardim, porém tudo passa pelo paisagista que traçou canteiros, combinou cores e formas, considerando, sobretudo, os níveis de resistência e fragilidade de cada planta para então dispor a sua localização.      Também na Casa Espírita pessoas com personalidade, maturidade e aptidões diversas podem conviver harmonicamente em sua diversidade, mas o “paisagismo” cabe aos dirigentes.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

JESUS, PEDRO E O INSIGHT


Por Roberto Caldas (*)



Jesus sabia o quanto as suas lições precisariam da teimosia e da capacidade de Pedro, depois que tivesse deixado o planeta, para que o grupo de homens e mulheres que escolhera se mantivesse junto na divulgação da Boa Nova, no entanto via no companheiro que abandonara as redes de pesca para segui-lo, um temperamento estouvado e pueril que o tornava pouco confiável na execução da tarefa que lhe seria apresentado depois que fossem finalizados os rituais da cruz.
Sábio e conhecedor das técnicas de engrandecimento humano, eis que Jesus, no relato de João(21:15 a 19) chama o pescador de Cafarnaum e lhe questiona inconteste: Pedro, tu me amas? Ao que o interpelado responde com veemência que sim. Questiona-o mais uma vez e escuta uma resposta positiva mais forte. Fá-lo pela terceira vez até que percebe ter chamado a atenção do homem inquieto que transitava dentro da alma do discípulo querido, pois a resposta vem carregada de inquietação, força e entremeada de tristeza: Senhor, tu sabes todas as coisas, tu sabes que eu te amo. Na noite que precederia a sua prisão novamente Jesus se volta a Pedro e lhe sentencia (Mateus 26:37) :  Em verdade te digo: nesta noite mesma, antes que o galo cante, três vezes me negarás.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

A EDUCAÇÃO QUE FAZ A DIFERENÇA

O educador Ney Lobo desencarnou na madrugada de 29 de agosto de 2012, em Curitiba, aos 93 anos. Submetido a uma angioplastia, não resistiu à cirurgia. Essa é a nossa merecida e justa homenagem a esse grande espírita, compartilhando entrevista reeeditada no site Correio Fraterno.

A educação que faz a diferença

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

UMA QUESTÃO DE PODER




Seja, pois, o vosso sim, sim, e o vosso não, não.”
(Tiago 5:12)

Por Jorge Luiz

             O Espiritismo está na moda. O Espiritismo ganhou Cidadania. Só isso foi o bastante para as disputas pelo poder tomar dimensões partidaristas na seara espírita. As distensões intestinas hoje em muitos núcleos espíritas geradas pela disputa de poder são preocupantes. Em todos os níveis a situação vem ocorrendo, inclusive no movimento federativo.
            Max Weber, sociólogo alemão (1864-1920), foi quem melhor definiu o poder à compreensão humana, ao afirmar que “é a possibilidade de alguém impor a sua vontade sobre o comportamento de outras pessoas.” A definição é medíocre em demasia para enquadrar adeptos de uma Doutrina de amor, luz, desprendimento, consolação, fé racional e tendo como seu estandarte a caridade.  Prefiro pensar assim.
            J. Kenneth Galbraith (1908-2006), professor Emérito de Economia da Universidade de Harvard, ao estudar a anatomia do poder asseverou que “a exemplo de muitos outros aspectos do poder, os propósitos pelos quais ele é procurado são amplamente sentidos, mas raramente enunciados.” Atesta ele que “um cinismo profundamente enraizado e extremamente valioso é a réplica apropriada e usual a todas as declarações abertas dos objetivos do poder; exprime-se na onipresente pergunta O que ele realmente pretende?”

sábado, 1 de setembro de 2012

300 PROGRAMAS AO VIVO!





 Por Francisco Castro



Recordando... Iniciava-se o mês de agosto de 2006, quando o Luis Jean Rodrigues concluiu a carga horária de aulas teóricas de um Curso de Radialista. Faltava-lhe a carga horária de microfone, quando a diretoria da Rádio Cidade AM 860 ofereceu-lhe um horário aos domingos das 21:00h às 22:00h.
Esse horário já havia sido ocupado por um programa espírita, já extinto. O Jean de pronto aceitou a proposta, para em seguida procurar o Marcus Vinícius e o Mário Kaúla, os quais ficaram bastante entusiasmados com a idéia de um programa espírita no rádio. ANTENA ESPÍRITA foi nome sugerido por Marcus Vinícius e aceito  por Jean e Kaúla.
No dia 26 de agosto de 2006, um sábado, na casa da amiga Noélia Cavalcante reunia-se um grupo de amigos, apenas para confraternizar, cujos encontros se repetem de dois em dois meses desde agosto de 2004, e do qual fazem parte, dentre outros, Roberto e Rosi Caldas, Rute Barrocas,  Fernando Cunha, Kaúla, Jean e eu. Como bom vendedor que é, o Jean expõs a idéia e fez então a proposta: formarmos a equipe do programa Antena Espírita. Proposta que foi aceita por todos.
A primeira edição de ANTENA ESPÍRITA, tendo o Luis Jean como âncora, foi ao ar no dia 03 de setembro de 2006, das 21:00h às 22:00h, ao vivo, como até hoje acontece, apresentando os seguintes quadros: Editorial, a cargo de Paulo Eduardo, depois substituído por Mário Kaula, e hoje por Roberto Caldas; Prece de Abertura, proferida por Rosi Caldas;  Ligações dos ouvintes, atendidas por Rosi Caldas e Rute Barrocas, hoje substituída por Liduína Castro; Notícias do Movimento Espírita, por Marcus Vinícius, hoje com Paulo Vale; Conforto Espiritual, por Fernando Cunha, hoje com a participação de Cid Carvalho; Saúde e Espiritualidade, com Roberto Caldas; Gotas de Espiritismo, com Mário Kaúla, hoje com Paulo Eduardo; e O Livro dos Espíritos Passo a Passo, que ficou ao nosso encargo.