sexta-feira, 9 de outubro de 2015

O AUTO-DE-FÉ E A REENCARNAÇÃO DO BISPO DE BARCELONA¹


“Espíritas de todos os países! Não esqueçais esta data: 9 de outubro de 1861; será marcada nos fastos do Espiritismo. Que ela seja para vós um dia de festa, e não de luto, porque é a garantia de vosso próximo triunfo!” 
(Allan Kardec)




            Cento e cinquenta e quatro anos passados do Auto-de-Fé de Barcelona, um dos últimos atos do Santo Ofício, na Espanha.
            O episódio culminou com a apreensão e queima de 300 volumes e brochuras sobre o Espiritismo - enviados por Allan Kardec ao livreiro Maurice Lachâtre - por ordem do bispo de Barcelona, D. Antonio Parlau y Termens, que assim sentenciou:

“A Igreja católica é universal, e os livros, sendo contrários à fé católica, o governo não pode consentir que eles vão perverter a moral e a religião de outros países.”
           
            Allan Kardec reagiu dessa forma:

“Podem queimar-se os livros, mas não se queimam idéias; as chamas das fogueiras as superexcitam, em vez de abafar. Aliás, as idéias estão no ar, e não há Pireneus bastante altos para as deter. Quando uma idéia é grande e generosa encontra milhares pulmões prestes a aspirá-la.”

           
            Kardec ao elaborar profunda reflexão sobre o futuro do Espiritismo, ante as dificuldades que enfrentava e enfrentaria, elaborou um estudo sobre os diversos períodos – curiosidade, filosófico, luta, religioso, intermediário, renovação - do pensamento espírita no mundo, colocando-o como o marco inicial do período de luta.
Pe. Sebastião Bernardes Carmelita
             O Brasil tem uma relação curiosa com esse acontecimento, pois aqui, mais especificamente em Uberaba, foi palco do renascimento do bispo inquisidor, D. Antonio, como Sebastião Bernardes Carmelita, (foto) em 20.12.1917, que desempenhou as funções de padre naquela cidade. Pelo seu modo de vida ficou conhecido como “o padre dos pobres e doentes. Era reconhecido como o mais ecumênico de todos os sacerdotes.
            É sempre especulativo e questionável se afirmar sobre a reencarnação de outrem. Esse fato, no entanto, conta com depoimento do próprio e de fontes como Yvonne do Amaral Pereira, Divaldo P. Franco e Francisco C. Xavier, dos Espíritos Bezerra de Menezes e Emmanuel.

A iniciação espírita
            Ao assistir ao programa “Pinga-fogo” (1971), transmitido pela TV Tupi de São Paulo, que entrevistou à época o médium mineiro Francisco Cândido Xavier, ele emocionado confessa:
“(...) E eu não parava de chorar, meus amigos. Sentia-me ingressar numa nova fase para o meu espírito. Era como uma mancha do meu passado culposo estivesse se apagando.”     

O contato com Yvonne do Amaral      
            Após ler a Codificação Espírita, padre Sebastião leu algumas obras da Yvonne e desenvolveu uma admiração pela médium, resolvendo escrever-lhe. Na sua primeira missiva, de uma série que duraria 25 anos, ele narrou a sua identificação com um dos personagens que acompanharam a médium em sua romagem reencarnatória. Esse primeiro contato despertou em Yvonne lembranças no arquivo de memórias extracerebrais, revelando-lhe a última encarnação do padre. Ela guardou para si, intuída pelos mentores espirituais, para futura revelação. Ele tinha conhecimento - declarara finalmente Yvonne – da revelação de ter sido, em existência pretérita, responsável pela incineração pública dos 300 volumes de obras espíritas, fato que ficou conhecido como Auto-de-Fé de Barcelona. Era um segredo que ele guardava, juntamente com a médium, com o compromisso de ser revelado somente após a sua desencarnação, o que realmente ocorreu, conforme relata Gérson Sestini, em sua obra “Yvonne – A Médium Iluminada”.
            Foi também através da médium que o padre se tornou amigo de Francisco Thiesen, presidente da Federação Espírita Brasileira (FEB).

Revista “Reformador”
            O padre Sebastião era leitor assíduo da revista “Reformador”, cuja assinatura ele mantinha em nome do seu pai, que o fez admirador da FEB.
            Certa feita, esquecera de renovar a assinatura, o que provocou a suspensão do envio do periódico. Apesar de solucionar a pendência, protestou sobre a interrupção das remessas, inclusive ressaltando ser amigo do Presidente da FEB. Não satisfeito, recorreu à intervenção de Yvonne para que solucionasse por definitivo a regularização das remessas do mensário espírita.
            O médium e orador espírita baiano Divaldo P. Franco, de forma bastante espontânea, confirmou a Francisco Thiesen as notícias quanto à identificação do padre Sebastião Carmelita como Dom Palau y Termens, bispo de Barcelona.

A mediunidade de cura
            Ainda a Gérson Sestini, Yvonne do Amaral afirmou:
            “ - (...) Recebeu a mediunidade de cura para apressar sua própria cura, extirpando a arrogância, a soberba e todos os vícios que o orgulho engendra, dentro da mesma batina que não soubera honrar perante Deus.”
            Comentarista do “Jornal da Manhã”, de Uberaba, no dia 15.12.1981, publicou um artigo sobre a desencarnação do padre Sebastião, que confirma a faculdade:
            “Que dons especiais tinha o Padre Sebastião?
            Seria um adivinho? Seria um observador arguto, capaz de detectar os problemas de todo o mundo com uma simples conversa ou mesmo com a presença da pessoa? Teria os dons mediúnicos? Estes dons, evidentemente, não são privilégios dos espiritistas. Mas o Padre era realmente cheio de vibrações. Quando ele falava, descia fundo no íntimo das pessoas. Não era simplório, não. Era um simples, um puro. Era um humilde de coração.”
            O padre Sebastião aplicava passes e receitava homeopatias em doentes, principalmente os do hospital conhecido como do “fogo-selvagem”, fundada por D. Aparecida Ferreira, abnegada amiga de Chico Xavier.

“Um padre Espírita?”
            Certa ocasião ao pensar em desistir das lutas como sacerdote católico, por ser incompreendido e hostilizado mesmo na sua igreja, os Espíritos Bezerra de Menezes e Emmanuel deram-lhe mensagem, confirmadas pelos médiuns Yvonne do Amaral e Chico Xavier:
“Se deixar a batina, vindo para a área espírita sem ela, teremos um companheiro a mais do lado de cá; porém, permanecendo onde se encontra, teremos um obreiro penetrando, com luzes da Doutrina dos Espíritos, em ambientes cujo acesso nos é compreensivelmente vedado.”
            O padre Carmelita sofreu muito. Foi submetido a uma cirurgia cerebral, e padeceu de uma micose nos dedos, tendo que ser submetido a extração das unhas sem auxílio de anestesia, face ao quadro inflamatório grave.
           
A desencarnação
             Padre Sebastião Carmelita desencarnou aos 64 anos de idade, no dia 14 de fevereiro de 1981, em sua cidade natal, às 14 horas. Desencarnou trabalhando, como sempre quis e repetia constantemente: “Preferível que a morte me encontre no trabalho a que nos surpreenda numa poltrona de luxo.”
            A médium Yvonne do Amaral afirmou que Chico Xavier compareceu ao velório e comentou para alguns amigos, quanto à situação bastante favorável do desencarnante na esfera espiritual.


¹ publicado originalmente em 09.10.2014.
(*) blogueiro e expositor espírita.


REFERÊNCIAS:
“Reformador”. Rio de Janeiro FEB. Janeiro de 1983;
FREITAS, Alberto M. Yvonne do Amaral Pereira – O Voo de uma alma. Rio de Janeiro. CELD.1999;
KARDEC, Allan. Obras Póstumas. Rio de Janeiro. FEB. 2003;              
_____________ Revista Espírita 1863. Rio de Janeiro. FEB. 2004;
SESTINI, Gérson. Yvonne – A médium iluminada. Rio de Janeiro. Léon Denis.2007


            

11 comentários:

  1. Ligiane Neves (Casa do Caminho de Aquiraz-CE)9 de outubro de 2014 10:44

    Bela matéria, como belas e profundas foram as palavras de Kardec em resposta à atitude do Bispo. Parabéns amigo Jorge!

    ResponderExcluir
  2. Parabenizo o autor, que foi muito feliz ao escrever este artigo, em todos os aspectos.
    Mas sou suspeito, por ser seu amigo pessoal e apreciador do tema.
    Everaldo Mapurunga
    Viçosa do Ceará




    ResponderExcluir
  3. Meu Caro Jorge Luis, parabéns pelo excelente e oportuno trabalho escrito sobre uma data que, conforme palavras do Codificador, deveria ensejar comemorações, o que me leva a lhe perguntar: Você, por acaso, pesquisou nas páginas da FEB e das Federativas para ver se há registros como esse do Blog Canteiro de Ideias? Caso a resposta seja negativa, redobro meus cumprimentos a você, especialmente!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pelos registros.
    Caro amigo Castro, depois de sua pergunta, pesquisei e não encontrei nenhuma menção sobre a data, nem na FEB e nem em outras federativas.
    O Canteiro de Ideias não poderia deixar passar em brancas nuvens essa data.

    ResponderExcluir
  5. É o que eu imaginava! É muito triste, o movimento espírita não está muito interessado na Doutrina não, mas só em patrulhar quem não reza na cartilha deles! É lamentável.

    ResponderExcluir
  6. Excelente artigo, vale para profundas reflexões e que tudo se transforma através das oportunidades múltiplas que a reencarnação proporciona.

    Abraço, Augusto Leão

    ResponderExcluir
  7. Caro amigo Leão!
    Muito bem pontuada a sua opinião.
    Espero que tenhas gostado do brinde enviado pelo Canteiro de Ideias.
    Abração!

    ResponderExcluir
  8. Belo e emocionante artigo... Agradeço pela oportunidade do aprendizado!

    ResponderExcluir
  9. Francisco Castro de Sousa9 de outubro de 2015 19:19

    Belo reprise Jorge Luiz. Não podemos esquecer datas como essa, em que a intolerância chegou ao seu ápice. Importante o registro do desconhecido ou anônimo, mas registrou sua opinião. Parabéns a você Jorge e ao Canteiro de Ideias por repercutir datas como essa, seguindo a sugestão de Kardec!

    ResponderExcluir
  10. Amigão Jorge,uma bela matéria,um abração fraterno,casal 20.

    ResponderExcluir