quarta-feira, 27 de maio de 2020

COMO DIFERENCIAR DELÍRIOS DE ALUCINAÇÕES - FENÔMENOS MEDIÚNICOS - FINAL



 
Características marcantes dos delírios

    a) Perda do juízo da realidade por parte do sujeito;

    b) Ausência da consciência da sua própria enfermidade;

    c) Firme convicção do sujeito da veracidade (objetividade) de suas ideias;

    d) Não modificáveis nem pela experiência, nem por conclusões irrefutáveis;

    e) Incorporados à personalidade;

    f) Incorrigíveis, porque a convicção anormal se assenta sobre um transtorno da personalidade;

    g) Apresentam-se como uma forma de pensamento desassociado e autista;

    h) Como se constitui uma alteração patológica do conteúdo do pensamento, proveniente de quadro que pode comprometer o sujeito como uma unidade, o resto dos processos do pensamento pode ser afetado (desagregação delirante).

segunda-feira, 25 de maio de 2020

VAI E NÃO TORNES A PECAR


                    
             A palavra pecado, em sua derivação do hebraico chattat, significa errar o alvo ou mudar de direção ou ainda pisar em falso. Jesus a utilizou segundo registros dos evangelistas, em diversas situações, sobretudo ao finalizar um processo de cura, quando sinalizava àqueles que haviam recebido uma nova oportunidade para que não tornassem a pecar. Provável que o Mestre entendesse que a causa daquela doença que fora curada seria o resultado do desvio de rota ética praticado em outro momento que voltava sob a forma de doença agora. Inúmeras são as inserções nas escrituras, considerando o Novo e o Velho Testamento, que se reportam aos atos ou obras das pessoas como a causa das bênçãos ou infortúnios pelo que se passa em suas vidas. Paulo em carta aos Gálatas (VI; 7 e 8) adverte: “Não erreis. Deus não se deixa escarnecer, porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará”.

sábado, 23 de maio de 2020

A QUEM SERVE AS FAKE NEWS NO ALÉM



 Elas possuem vestimentas discursivas que estão de acordo com as tendências da hora. Imiscuídas em pensamentos isentos de profundidades reflexivas, angariam a confiança dos simplórios, habituados a terceirizar a tarefa de racionalizar.

São as fake news da era das comunicações mediúnicas navegadoras da web. Vozes indutivas afirmar ler cartas de espíritos youtuberes, com fundo musical e uso de imagens massificadas pelas telas de cinema espírita, como por exemplo, cenas do filme Nosso Lar.

Um traquejo de marketing que prospera principalmente sobre o analfabetismo político e tendência ao tradicionalismo igrejeiro que prosperou no meio espírita brasileiro.

ANGÚSTIAS DE UM DIRIGENTE ESPÍRITA


 
Eu conheço várias dessas angústias. Minhas andanças pelo país e minha história de vida, também como dirigente no passado, me trouxeram uma visão global do movimento espírita e sua diversidade no entendimento doutrinário e suas práticas – que devemos compreender –, gerando comportamentos e atitudes tão diversas neles próprios, que igualmente se deparam com voluntários,  tarefeiros e frequentadores, diretores, também com a diversidade que nos é própria como seres humanos.

Todo líder ou dirigente – e não só espírita, claro, mas em qualquer segmento – sempre se defrontará com opositores. É natural, mas nem sempre fruto de crítica construtiva, muitas vezes é resultante de inveja, ciúme, oposição sistemática mesmo e até desejo simples de perturbar, por leviandade. Pense comigo: