terça-feira, 14 de agosto de 2018

LIÇÃO DA CAATINGA



As árvores, com galhadas desnudas,
Como espectros, para o alto dirigidas,
Até parecem que suplicam, mudas,
A insubstituível água da vida.

Mas esperam com calma, resignadas,
Pelas benesses do Pai que não faltam,
E, outrora, esplendorosas, orvalhadas,
Multicoloridas, os céus exaltam.

domingo, 12 de agosto de 2018

PAI NOSSO QUE ESTAIS NO CÉU


           




 
            O Universo funciona no limite da perfeição. Mundos giram em perfeita harmonia em torno dos sóis infinitos. Da semente à flor a vida transborda como o verdadeiro milagre que a Natureza dispõe aos nossos olhos. As florestas imponentes escondem os segredos dos desertos que dormem sob suas raízes. A borboleta e a crisálida reverenciam a lagarta em sua jornada de criação contínua. As geleiras regulam o equilíbrio da circulação e do movimento da água que dissipa no ar, se esconde no interior da Terra e abraça o oceano majestoso. Os pássaros migrando pelas estações reconhecem as setas invisíveis que norteiam suas viagens. Os cardumes retornam ao ponto em que nasceram para reproduzir confirmando o mapa da vida gravado na intimidade de suas células. O útero da mulher desenha o protótipo do ponto mais alto na representação do sopro nas narinas que licenciou a vida para a raça humana. 

quinta-feira, 9 de agosto de 2018

A ESCOLA DA VIDA - O LAR (PARTE II)




 

João Amós Comenius (1.592 - 1.670) em sua Didática Magna – Tratado da Arte Universal de Ensinar Tudo a Todos, logo no primeiro capítulo nos diz textualmente: “Um dos primeiros ensinamentos, que a Sagrada Escritura nos dá, é este: Sob o sol não há nenhum outro caminho mais eficaz para corrigir as corrupções humanas que a reta educação da juventude”. Como exemplo, ele cita o provérbio 22:6: “Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele”.

Dizendo mais adiante, ainda no primeiro capítulo: “Cristo ordena que nós, adultos, nos convertamos como criancinhas, isto é, para que desaprendamos os males que havíamos contraído com uma má educação e aprendido com os maus exemplos do mundo, e regressemos ao primitivo estado de simplicidade, de mansidão, de humildade, de castidade, de obediência etc. (...). Daí resulta que não há coisa mais difícil que voltar a educar bem um homem que foi mal educado. Na verdade, uma árvore, tal como cresce, alta ou baixa, com os ramos bem direitos ou tortos, assim permanece depois de adulta e não se deixa transformar.”

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

PROVIDÊNCIA DIVINA






 Kardec desenvolveu a primeira parte de O Livro dos Espíritos em sua última obra, A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo, onde lecionou que não é possível perscrutarmos a natureza íntima de Deus, porque nos falta o sentido que só uma completa depuração do nosso espírito pode fornecer-nos; desse modo, só o perceberemos em todo o seu esplendor quando formos espíritos puros, isto é, no mais alto grau de desmaterialização.[i] Assim, Deus não nos seria incognoscível para sempre. Isso deveria ser suficiente para afastar as pretensões de empréstimo ao espiritismo daquele sabor agnóstico do deísmo independente. Os adeptos dessa ideia mereceram oposição de Kardec, o qual não cria que, uma vez estabelecidas as leis gerais que regem o Universo, daí por diante, aquele que as promulgou de mais nada se ocupe. Para o mestre, ao fazê-lo demasiado grande para se abaixar até suas criaturas, findam por torná-lo grande egoísta e o rebaixam até o nível dos animais que abandonam suas crias à natureza. Esses deístas independentes se distinguem dos deístas providencialistas, que creem não só na existência e no poder criador de Deus, na origem das coisas, como também na sua intervenção incessante na criação; a Deus, os últimos oram, mas não admitem o culto exterior e os dogmatismos.[ii] Pode-se pensar, portanto, que Deus atua sem cessar. Mediante leis imutáveis, é verdade; por meio de inumerável cooperação espiritual, sem dúvida. Mas daí resulta que se ausente quando suas leis se cumpram e seus prepostos ajam? Se as divinas leis se executam e seus colaboradores se movimentam para tanto, isso se verifica por força de quê? Não é por determinação da própria inteligência suprema?