domingo, 21 de abril de 2019

CHARLATANISMO, REDES SOCIAIS E FAKE NEWS NO ALÉM




 
É inquietante a invasão de falsos médiuns, especialistas nas fraudes “mediúnicas”, “psicografando” supostas cartas do além, valendo-se financeiramente da venda de livrescos de sua autoria. A armadilha da traiçoeira “mediunidade” para eventual “contato com falecidos” tem sido montada nos shows públicos dos ambientes espíritas (infelizmente!).

Tais estelionatários inventam seitas sob “inspiração” de imaginários espíritos que trazem nomes de notórias “santas e padroeiras”. Em torno desses falsários se promovem excursões (romarias) para que enlutados acompanhem o charlatão até às cidades em que são convidados para fazerem espetáculo de falsas psicografias.

quinta-feira, 18 de abril de 2019

EFÉMERIDE: LANÇAMENTO DE "O LIVRO DOS ESPÍRITOS"


Originalmente publicado em 1857, O Livro dos Espíritos marca o nascimento da Doutrina Espírita e inicia o conjunto de cinco publicações que formariam a Codificação Espírita organizada por Allan Kardec. Considerado o Consolador Prometido por Jesus Cristo, o Espiritismo apresenta um novo caminho e a crença de que a vida continua após a morte. Texto fundamental para conhecer e estudar a Doutrina Espírita, O Livro dos Espíritos traz 1.019 perguntas, sobre diversos temas, feitas por Kardec com as respectivas respostas dos companheiros espirituais, permitindo que possamos conhecer e entender inúmeras ações que nos acompanham diariamente.

domingo, 14 de abril de 2019

ROUSSEAU, PESTALOZZI, HIPOLLYTE RIVAIL, KARDEC


         

 
        A coluna que sustenta a Doutrina Espírita é sabidamente Jesus, sua ética e ensino universais. Sem controvérsias, a sua passagem pelo planeta foi o marco que semeou a mensagem que haverá de libertar, a todo aquele que a entenda, das amarras da escravidão moral que caracteriza a humanidade. Antes de sua vinda pessoal teria enviado prepostos na condição de abre-alas, precursores que assinaram a Introdução de O Livro dos Espíritos, como Sócrates e Platão, entre tantos outros.
          O desembarque do Espiritismo, no entanto em 27/04/1857, teve uma ligação direta com a efervescência do pensamento libertário que encontra em Rousseau (28/06/1712 – 22/07/1778) a sua pedra fundamental pelo enfoque que dirigia para a formação do caráter da criança sob a observação dos fenômenos da Natureza, adepto que era da crença em uma religião natural, onde o ser humano poderia encontrar Deus em seu próprio coração, de forma a transformar seus direitos naturais em direitos civis. Suas idéias foram fundamentais para que a humanidade tivesse o legado da revolução Francesa em seu tripé de Liberdade, Igualdade e Fraternidade.

quinta-feira, 11 de abril de 2019

ESPIRITISMO E MARXISMO: UM DIÁLOGO NECESSÁRIO





O marxismo tem sido alvo de ataques por parte de integrantes do movimento espírita ao longo do tempo, especialmente, nos dias atuais. A falta de compreensão acerca do que efetivamente significa o pensamento marxista, bem como a própria constituição subjetiva dos espíritas, enquanto inseridos no contexto da sociedade capitalista,[1] são algumas das causas fundamentais dessa triste realidade.

Em geral, os espíritas confundem o materialismo histórico com o materialismo, em sua acepção vulgar – esse último objeto da crítica de Allan Kardec -, demonstrando uma compreensão totalmente equivocada do marxismo, o qual passa a ser apontado como uma “ideologia nefasta”. Isso apenas é uma demonstração do horizonte tacanho no qual, infelizmente – ressalvadas importantes exceções -, está inserido o grande contingente dos espíritas em nosso país, distanciados dos avanços científicos e culturais da humanidade, em total dissonância com as postulações do mestre lionês, que, inclusive, chegou a asseverar de modo peremptório: “fé inabalável é somente aquela que pode encarar a razão, face a face, em todas as épocas da humanidade”.