segunda-feira, 10 de agosto de 2020

"MORREU PORQUE TINHA QUE MORRER"

 

        

             Essa frase é a mais corriqueira de se ouvir nesses tempos pandêmicos, inclusive no meio espírita. Mas será que é assim mesmo?

          Os Reveladores celestes afirmam que a fatalidade só existe para o Espírito encarnado, de sofrer esta ou aquela prova; ao escolhê-la ele traça para si mesmo uma espécie de destino, que é a própria consequência da posição em que se encontra.

domingo, 9 de agosto de 2020

HOMENAGEM AOS PAIS VENCIDOS

Eu escolhi um lado do muro. A posição do meio configura aos meus olhos como expressão de medonha sordidez, mas sei que muitos estarão pensando apenas na própria comodidade, uma espécie de ilusão existencial que por instantes os leva a deduzir vantagem, seguridade, oportunidades…onde os demais são impedidos de entrar, no entanto, isso nem sempre será confirmado.

 Hoje minha escolha é por quem olha com tristeza as altas paredes erguidas e consegue ser útil à vida, apesar do peso da dor existencial que é obrigado a transportar. É para estes pais, que escrevo hoje, minha homenagem.

sábado, 8 de agosto de 2020

EDUCAR OS PRÓPRIOS FILHOS, UM GRANDE DESAFIO PARA OS PAIS

                                                                            


 Uma brasileira foi condenada a nove meses de prisão, na Espanha, por expulsar de casa, por um dia, o seu filho de 15 anos. A sentença recebeu destaque nos principais jornais e TVs espanholas. Nossa conterrânea alegou que agiu assim, porque pretendia dar uma lição mais “forte” no filho, que é problemático, desobediente e muito agressivo. Sua intenção era ensinar-lhe regras sociais e respeito pela mãe.

Para a juíza, do Tribunal Penal de Málaga, a atitude da brasileira representa uma negligência e um delito de abandono temporário, motivo pelo qual a condenou, explicando que, embora o menor se encontre em plena adolescência, com os conflitos comuns da idade, isso não é razão para colocá-lo fora de casa, deixando-o à intempérie na rua, por uma noite, porque essa decisão cria uma situação de risco para o menor.

quinta-feira, 6 de agosto de 2020

TEMPO, MEMÓRIA, AMOR, SAUDADES E OUTRAS POESIAS

                                                  
                                                                      
   O Tempo é o fio em que a existência humana enlaça à natureza divina. Seus degraus representam a saga evolutiva “do aprender a aprender” a respeito do que se tem oculto desde o princípio e urge decodificar porque é pertencimento existencial. Como diria em O Profeta, Khalil Gibran: “E que aquilo que canta e medita em vós continua a morar dentro daquele primeiro momento em que as estrelas foram semeadas no espaço”. Se é que houve um Tempo de início, vivemos a esperança de que não haja um tempo de fim.