segunda-feira, 24 de setembro de 2018

DORMINDO SOB AS ESTRELAS


                      
         
          Vivemos num país de contrastes. Um país que coleciona o direito de exibir as maiores taxas de descaso ao seu povo quando o tema trata de direitos humanos, igualdade social e divisão das riquezas. Contraditoriamente se categoriza como a 8ª economia do planeta, a frente de países como a França e o Canadá. Campeão imbatível em cobrança de impostos ao mesmo tempo em que sonega à população a distribuição de bens e serviços, pontos nos quais se assemelha as mais sangrentas ditaduras, num desempenho indigno para um país que se pronuncia democrático.
          Os déficits estruturais do Brasil são responsáveis por uma devastadora exclusão social que joga para a condição abaixo da linha da pobreza 22% da população ou 52 milhões de pessoas que vivem com ganhos abaixo de ¼ de salário mínimo para suprir as suas necessidades fundamentais. Entre esses se encontram aqueles que constituem a população em “situação de rua” definida pela Secretaria Nacional de Assistência Social como “um grupo heterogêneo, composto por pessoas com diferentes realidades, mas que têm em comum a condição de pobreza absoluta, vínculos interrompidos ou fragilizados e falta de habitação”. Vivem, comem e dormem ao relento, sob chuva e sol. Em 2015 eram contabilizados em 101 mil pessoas, segundo relatório elaborado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

sábado, 22 de setembro de 2018

OS DEUSES E O DESTINO


                 
      
        Historiadores não estão certos de que ele tenha existido.  Não obstante, são atribuídos à sua lavra os dois maiores poemas épicos da antiga Grécia: A Ilíada, que exalta as proezas do herói Aquiles, na última etapa da guerra de Tróia. A Odisséia, que narra as aventuras de Ulisses, rei de Ítaca, marido de Penélope.

        Trata-se, como o leitor já percebeu, de Homero, o poeta supostamente cego que teria vivido no século IX a.C.

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

DOR E SOFRIMENTO



 
"A dor não surge apenas por estimulação periférica, mas também por uma experiência da alma, que reside no coração" (Platão).

Dor dissociada do sofrimento

Ao lado da dor intensa, chegando até a ser desagradável, podem ser sentidas sensações de medo, ansiedade, angústia e desespero. Nesse caso, o sofrimento resultante é quase sempre associado, confundido com a dor ou até mesmo realçada por ela. O importante é saber dissociar a dor do sofrimento, porquanto se pode sentir dor sem sofrimento e sofrer muito sem a presença da dor.

A culpa, o remorso, a vergonha, a perda de controle, a vulnerabilidade, por exemplo, estão relacionadas ao sofrimento sem a presença da dor. Portanto, a dor e o sofrimento são distintos. O sofrimento é existencial e está ligado à consciência, exatamente onde está inserida a lei divina, segundo ensinamento espírita, em “O Livro dos Espíritos”, questão 621. A dor é importante desde que sua presença anuncie que algo de ruim está acontecendo no organismo. Soando o alarme, o indivíduo procura assistência médica e recebe a analgesia devida.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

COMERCIANTES MIRINS, NOVAS GERAÇÕES E O MUNDO DE REGENERAÇÃO


 

Novas gerações, velhas provocações diante dos atuais desafios da inteligência infanto-juvenil. Realmente observamos os pequenos (crianças e adolescentes) como exímios empreendedores que se sobressaem quais proeminentes alienígenas negociantes e habitantes da Terra.

São indicativos panoramas para uma Nova Era sob as ondas das informações ultrarrápidas e estímulos ao empreendedorismo, cujos efeitos são os surgimentos dos mirins fenomenais que nestes tempos de vida apressada hão faturado alto antes mesmo de completarem a maioridade. Quiçá estejamos diante do convite à solidariedade, inobstante o acúmulo de bens que paradoxalmente poderá diminuir a desigualdade das riquezas.