domingo, 29 de junho de 2014

ENTRE A CAÇA E O CUIDADO¹



Por Dora Incontri (*)



Hoje se deu uma cena em nosso café da manhã, que me levou a tecer essas reflexões e voltar ao blog, de que andei distante alguns meses, por excesso de trabalho.

Estávamos em família, na presença de meus sobrinhos, discutindo a questão do vegetarianismo e do veganismo, com prós, contras, dificuldades de adesão, perspectivas futuras etc. E então, bem nesse momento da conversa, adentrou na sala meu gato branco, Gorki, por quem sou apaixonada, e provocou uma gritaria generalizada e o choro do meu sobrinho pequeno. Triunfal e desafiador, Gorki carregava um filhote de passarinho agonizante. Um passarinho que víamos por aqui nos últimos dias, em cima do muro, alimentado pela mãe. Por alguns minutos, o bichinho se debateu entre os dentes de Gorki e depois morreu.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

NOVA ENCARNAÇÃO - UMA OPORTUNIDADE¹

                 


 Por Roberto Caldas (*)



                 

                               Agradeçamos a Deus o grande presente que é a nossa atual encarnação. Ancorada em nossas experiências do passado a nossa atual existência é a grande oportunidade de acerto e reajuste patrocinado pela seleção de eventos que se apresentam em nossas rotinas.
            A importância da nossa encarnação transparece na questão 166 de O Livro dos Espíritos quando se interroga como a alma que não alcançou a perfeição durante a vida corporal, pode acabar de se depurar. A resposta não se faz reticente: “Submetendo-se à prova de uma nova existência.” Lógico que a nova existência terá uma relação aproximada àquela que a antecedeu sem a obtenção de resultados satisfatórios. Depreende-se daí que os aprendizados quando não completos exigem um retorno para lhes dar continuidade.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

A EVOLUÇÃO DO ESPÍRITO: CÍRCULOS E ESPIRAIS

“É assim que tudo serve, tudo se encadeia na Natureza, desde o átomo primitivo até o arcanjo,
pois ele mesmo começou do átomo. Admirável lei de harmonia, de que o vosso Espírito limitado
ainda não pode abranger o conjunto.”
(O Livro dos Espíritos, questão nº 540)




            O professor, filósofo, jornalista e escritor espírita José Herculano Pires (1914-1979), em “O Céu e o Inferno” Notícia sobre o livro –, afirma que a referida obra atesta que a evolução não se processa em linha reta, mas, em ascensão espiralada. Para ele, a evolução do homem na Terra está sujeita às vicissitudes da superposição periódica de camadas populacionais inferiores que precisam aflorar na superfície cultural para se beneficiarem. Assim ocorreu com os bárbaros na queda do Império Romano, que necessitavam abeberar-se na cultura clássica.
            Os biólogos chilenos Humberto Maturana e Francisco Varela (1946-2001), nessa mesma linha de raciocínio, definem esse fenômeno social como acoplamento estrutural, no contexto do conceito por eles elaborado da Biologia da Cognição ou Biologia do Conhecer. Para eles “Ser é conhecer, conhecer é ser.” Portanto, são inseparáveis o ser e o conhecer, ou então, havendo uma circularidade entre essas dimensões constitutivas do ser. A teoria de Maturana e Varela se identifica claramente com os pressupostos da Evolução Criadora de Henri Bergson, filósofo e diplomata francês: “Aquilo que fazemos depende do que somos; mas impõe-se acrescentar que somos, até certo ponto, o que fazemos, e que criamo-nos a nós mesmos continuadamente.” Cognição é ato de adquirir conhecimento e conhecimento é o resultado da cognição. O conhecimento é um dos principais atores da cultura, e esta por sua vez, é de fundamental importância na espiral dialética da evolução

segunda-feira, 23 de junho de 2014

INFLUÊNCIAS





Por Gilberto Veras(*)


Em nosso planeta, recebemos influências do bem e do mal, com maior intensidade deste do que daquele, pois, sendo de categoria inferior nossa morada, as investidas maléficas são fartas, e todo cuidado é pouco para nos protegermos dos disfarces e artifícios com que elas se apresentam através dos espíritos na carne ou dos desencarnados, variadas são as formas, seduções tentadoras, promessas desejadas e perspectivas de realizações encantadoras representam as mais comuns.
O trabalho da malevolência é esperto e só atua onde verifica vulnerabilidade caracterizada por vibrações similares (de mesma natureza e gosto), aí se instala para satisfazer propósitos escusos e nocivos. A rigor, estamos todos passíveis de investidas do mal, porque, se assim não fosse, estaríamos em atividade em outro mundo, inacessível ao impostor do bem. Cabe, então, indagar, se assim é como evitar companhia tão prejudicial?

sábado, 21 de junho de 2014

EXPERIÊNCIA DE QUASE-MORTE E TRANSFORMAÇÃO ESPIRITUAL

           



            O caminho de Damasco é o símbolo da transformação espiritual do homem. Desde o encontro de Paulo com o Cristo e sua radical autotransformação, a meta de todos os cristãos é o encontro transformacional na estrada de Damasco de cada um.
            Transformações radicais da forma de enxergar o mundo podem ser vistas na literatura religiosa, de forma mística, mitológica e folclórica. Transformações verdadeiras são construídas à custa de muito esforço e longo sacrifício.
            A literatura médica defronta com histórias de transformações radicais, que, guardadas as devidas proporções, podem ser comparadas com o numinoso evento do caminho de Damasco. O único relato de caso brasileiro de Experiência de Quase-Morte (EQM), é um relato transformacional descrito pela literatura médica (Braghetta, Santana et al. 2013). Os autores descrevem a transformação de um homem condenado por vários crimes, incluindo assassínios, após ter passado por fenômeno de EQM.

quinta-feira, 19 de junho de 2014

PAZ ESPORTIVA











Por Paulo Eduardo (*)

João Batista afirmou: "Endireitai o caminho do Senhor, como disse o profeta Isaias". A verdade é que essa exortação permanece no ar. Convocação permanente aos homens e mulheres de boa vontade à regeneração das estradas comuns. Qual o caminho? - As perguntas deste porte emergem a cada dia em textos novos. Relembrar Mahatma Gandhi, na sua famosa alocução: "Não existe um caminho para a paz. A paz é o caminho".
Por que a lembrança? 
Acreditamos para dizer sobre a máxima de Gandhi já responsável pela produção de vários livros sob o título "A paz é o caminho", na tentativa de acabar com as guerras e a violência! - Será possível alcançar tal desiderato? - Os autores Deepak Chopra e Mário Kaúla, por exemplo, mostram o poder da paz em lúcidos escritos de inteligência. Notem os leitores a existência do "Caminho, verdade e vida", num ditado do espírito Emmanuel através da psicografia de Chico Xavier ao aduzir: Endireitai os caminhos! 

terça-feira, 17 de junho de 2014

ESTA IMAGEM TE CONSTRANGE?




Por André Trigueiro (*)






Os caras vêm do outro lado do mundo para ver a seleção japonesa disputar uma Copa no Brasil. Perdem o jogo de estreia de virada para a Costa do Marfim e, para surpresa (talvez a expressão mais correta seja perplexidade) dos brasileiros presentes na Arena Pernambuco - e tantos outros torcedores de sabe lá quantas nacionalidades pelas redes sociais -, resolvem, ao final da partida, espontaneamente, coletar o próprio lixo no estádio.


Munidos de sacolas plásticas azuis - levadas por eles para esse fim - os japoneses se esmeraram em deixar impecavelmente limpa as partes do estádio ocupadas pela torcida nipônica.

segunda-feira, 16 de junho de 2014

AGIR SEMPRE, AGREDIR JAMAIS¹

       


Por Roberto Caldas (*)



        Poucas coisas são tão nefastas para a consciência humana do que a perda da capacidade de indignar-se diante das injustiças, tanto quanto o desprezo à ética e ao respeito diante da própria indignação. Quando nos dispomos a uma atitude corretiva, algumas vezes necessária, utilizando de expedientes escusos e tão indignos quanto a situação contra a qual protestamos, chafurdamos na mesma poça de lama em que julgamos refestelar-se o nosso alvo. O combate ao problema que nos incomoda não nos dá o direito de espezinhar aquele que consideramos adversário, pois a adoção de comportamento equivalente nos retira a condição de intenção positiva que toda resolução superior cogita para se fazer efetiva.

AJUDA-TE E O CÉU TE AJUDARÁ





Por Gilberto Veras (*)




A Inteligência Suprema, o Perfeito Indefinível, através de suas leis magnânimas abarca toda a humanidade, em imenso Hospital de Luz, disponível a todos com vistas a melhoramentos relativos (cada qual com suas necessidades variáveis em função do adiantamento espiritual em que se encontra). O caminho, no entanto, não é automático e muito menos indiscriminado, depende de seleção dos instrumentos luminosos em potencial ou modestamente ativados, os quais nos posicionam em compatibilidade com luzes outras que nos auxiliam, em cadeia solidária, no acionamento dos potenciais de que fomos dotados pelo Criador Absoluto. Para acendermos lâmpadas clarificadoras, não só devemos nos esforçar para acionar interruptores próprios na medida do possível, como, também, receber de bom grado orientação de irmãos imediatamente mais iluminados, identificados como mentores ou amigos espirituais. Jamais alimentar a ideia leda e inocente de que poderemos receber auxílios diretamente de Espíritos elevados, longe de nosso alcance, e, muito menos, óbvio, Daquele que é o Pai da Vida e comanda, em grandeza infinita, universos imagináveis e possíveis.

sábado, 14 de junho de 2014

DOUTRINA ESPÍRITA E RACISMO







         Uma causa com certos tipos de amigos não precisaria de inimigos. Reduzir o nível de oportunidade do espiritismo ao seu aspecto moral é mal conhecê-lo. A isso já bem respondera Kardec em seu artigo O que ensina o espiritismo, no qual prova que, fora do ensinamento puramente moral, os resultados do espiritismo não são tão estéreis quanto pretendem alguns.[1] O mestre lhes é, por isso, um incômodo permanente, razão pela qual sempre buscam levantar-lhe fraquezas, a fim de tentarem minar o poder que sua obra, e só ela, tem de conferir ao espiritismo unidade consistente, afastando-o das propostas em que vale quase tudo se em nome do “amor”. O pretenso erro mais levianamente explorado é o suposto racismo de Kardec. Mas como poderia ser propriamente um racista alguém que escreveu, por exemplo, isto:

“[...] o espiritismo, restituindo ao espírito o seu verdadeiro papel na criação, constatando a superioridade da inteligência sobre a matéria, faz que desapareçam, naturalmente, todas as distinções estabelecidas entre os homens, conforme as vantagens corporais e mundanas, sobre as quais só o orgulho fundou as castas e os estúpidos preconceitos de cor”.[2]

quinta-feira, 12 de junho de 2014

A MORTE E A ANIQUILAÇÃO DA VIDA



Pergunta 958: Por que tem o homem, instintivamente, horror ao nada?
Resposta: “Porque o nada não existe”.
O Livro dos Espíritos – Pergunta 958



Por Roberto Lúcio (*)



Ao iniciar o capítulo sobre penas e gozos futuros, Kardec escolhe a pergunta acima para dar o primeiro passo a discussão. Este capítulo é fundamental, pois se ocupa em demonstrar com a maior clareza o papel consolador da Doutrina Espírita, a visão ali apresentada da justiça divina é a que coaduna verdadeiramente com os atributos do Criador. A primeira preocupação é a necessidade de desfazer esta visão errônea.

Essa é uma das visões presentes nos dias atuais, em especial, entre os homens de ciência.

Antes de se levar à discussão para um campo desse sentimento, é necessário pensar um pouco sobre a possibilidade temporal e espacial da existência desse nada. São muitos os que ao estudarem a realidade da vida, perguntam: o que existiria antes do Universo? Haveria algo antes do Criador? De onde partiu a criação, ou seja, de onde surgiram os elementos que deram origem ao Universo? Será que haverá algo após a morte física?

terça-feira, 10 de junho de 2014

EVOLUÇÃO




Por Lucarocas (*)







Não existe perfeição
Apenas melhoramento
Fazendo bem a lição
Em prol do burilamento
Se terá algum direito
Dessa parte do “perfeito”
Que temos merecimento.

Deus com sua sapiência
Nos mostra uma condução
Para que com paciência
Possamos amar o irmão
E nessa troca de amor
Termos luz em esplendor
Nas trilhas do coração.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

UMA EXISTÊNCIA VALE MAIS DO QUE UMA COPA DO MUNDO¹

         


Por Roberto Caldas (*)



         
    Estamos vivendo momento de mista expectativa em solo brasileiro. A realização do maior certame de futebol do mundo, uma iniciativa de um órgão privado que mobiliza os países em torno desse esporte, escancara realidades que pululam nas escolas, nos hospitais, nas comunidades, onde milhões de pessoas agonizam pela rotina de escassez e desgoverno, ao mesmo tempo em que assanha a maior das paixões nacionais.  A Copa do Mundo de Futebol chega para encrespar uma relação que vem se deteriorando a 514 anos, desde que a história oficial dá a saída de bola para o Brasil.
            A disputa do espaço em campo envolve a necessidade urgente de mudanças tendo como adversário a frieza do capitalismo que não pensa senão na própria satisfação. Diante do esporte mais popular tupiniquim vemo-nos envolvidos com uma festa que esbanja bilhões de reais com um pálido aceno de desfaçatez para as agruras que produzem vítimas sociais que agonizam sem defesa para evitar a derrota, de goleada.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

ATEÍSMOS, TEÍSMOS E FANATISMOS

Um documentário feito por alunos de Comunicação Social numa Universidade do Rio Grande do Sul, defende o direito dos ateus e fala sobre a discriminação sofrida por eles. Abaixo, uma reflexão que fiz a partir desse vídeo!


Por Dora Incontri (*)






A mais recente vitimização social é a dos ateus – declaram-se perseguidos, incompreendidos e discriminados. Em primeiro lugar, quero deixar claro, que reconheço a legitimidade do ateísmo e obviamente advogo o direito de cada um crer ou descrer, da maneira que lhe aprouver, pois nada há de mais sagrado do que a liberdade de pensamento.

Entretanto, um dos trabalhos a que me dedico é o do diálogo inter-religioso e, poderia então acrescentar, o diálogo entre religiosos e não-religiosos… Afinal, o eixo para uma sociedade mais justa, plural e fraterna, está na convivência pacífica e respeitosa entre diversos pontos de vista. Nesse sentido, portanto, temos que analisar o que nos afasta e o que nos aproxima do diálogo, e isso deve ser feito por todos os interlocutores.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

A BÍBLIA, A MEDIUNIDADE E O ESPIRITISMO



Por Severino Celestino (*)


Bíblia é uma biblioteca constituída de psicografias e fatos de natureza mediúnica. Foram os profetas, grandes médiuns, que nos trouxeram a Bíblia, um repositório de profundas mensagens espirituais que ainda hoje estão atual e servem de roteiro para os homens.

A palavra Bíblia vem do grego (biblia=plural de biblion ou biblios= livro), portanto é um conjunto de livros.

Na língua hebraica, a Bíblia chama-se O TANACH (o vocábulo é masculino) e constitui o livro sagrado dos hebreus. Narra a história da saída de Abraão da cidade de UR na Caldéia em busca da terra prometida (CANAAN). A palavra “HEBREU” vem do hebraico “EVER” (‘ivri) e pode ter dois significados: Em Gen. 14:13, Ever (hebreu) é uma denominação dada a Abraão. Desta forma, “‘ivrim” seriam os descendentes de EVER, (Abraão) e o termo designaria grupos étnicos. Para as religiões ocidentais, a Bíblia divide-se em duas grandes partes, chamadas respectivamente de VELHO TESTAMENTO E NOVO TESTAMENTO, constituído, este último, dos livros sagrados do Cristianismo e das religiões dele derivadas ou seja: Igreja Católica, Protestante, Ortodoxa Grega, Ortodoxa Russa, Armênia, Copta, Maronita, etc.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

A ARTE ESPÍRITA¹




Por Roberto Caldas (*)



               A humanidade progride utilizando as ferramentas que a inteligência permite, ela que é o grande diferencial entre a nossa espécie e as demais que povoam o planeta. De resto nos sobra um organismo praticamente igual aquele que anima os seres dos outros reinos e que compõem a nossa fauna imensa. É a inteligência aquele diferencial genético de 1,15% que nos diferencia dos demais primatas em geral. Toda a diferença se encontra na capacidade e dimensão do córtex cerebral, área especial que nos permitiu a caminhada sobre dois pés e a inauguração de um período de linguagem e com ela a comunicação que nos reúne milhões de anos depois numa aldeia global.
            Durante muitos milênios estivemos aprendendo uma forma de nos expressar no mundo: a observação, a curiosidade, a pesquisa, as descobertas e assim o advento da Ciência, da Filosofia, da Religião, das Artes, ambas reproduzindo os anseios mais profundos e relativos da espécie humana em sua romagem de aprendizados. Vertentes de uma mesma busca, a perseguição da fagulha divina que trazemos na mais funda essência do que somos.