sexta-feira, 30 de novembro de 2012

DIVULGAÇÃO ESPÍRITA: DESPERTEMO-NOS!



“Divulgar o Espiritismo por todos os meios e modos dignos ao alcance, é tarefa prioritária”. (Espírito Bezerra de Menezes)

 Por Alkíndar de Oliveira (*)


Percebe-se de forma clara, que começam a surgir no meio espírita, expressivo número de dirigentes e trabalhadores que abriram os olhos à importância premente da divulgação espírita além-paredes. Por exemplo, em Fortaleza-CE já se tornou tradição o TEATRO TRANSCENDENTAL, que é um evento anual aberto ao público, produzido por espíritas e dirigido com alta qualidade técnica e artística. Em eventos como este, subliminarmente – e também diretamente - os princípios espíritas são divulgados aos não-espíritas. No mesmo estado (será que é porque Bezerra de Menezes e outros ilustres espíritas nasceram por lá?), anualmente no jornal de maior circulação do Estado é lançado um suplemento com muitas páginas (em 2007, 16 páginas!) com o tema Semana de Chico Xavier! No estado da Paraíba, fato semelhante também ocorre.

Mas no estado em que resido (São Paulo) o mais rico do país, não vemos suplementos ou colunas espíritas nos jornais de maior circulação!!!

Disse o espírito Marcelo Ribeiro (pelas mãos de Divaldo Franco): “O Espiritismo é o antídoto eficiente e rápido para os males que grassam, na Terra, derruindo o materialismo e promovendo a vida”. Esta afirmação nos alerta que a divulgação dos princípios espíritas é um dos focos mais urgentes de nossa seara, como também reforça o amável irmão e mestre Bezerra de Menezes na introdução deste texto.

Se começa a surgir um número expressivo de seareiros abraçando a tarefa de divulgar o Espiritismo a quem não o conhece, por outro lado ainda é muito maior o número de dirigentes e trabalhadores que não têm esta visão. Lembro-me quando um amigo espírita alertou-me dizendo que “nós espíritas estamos falando para nós mesmos”. Este comentário me fez abrir os olhos - pela primeira vez – a esta realidade! O fato é que fazemos palestras para espíritas, congressos para espíritas, eventos para espíritas. Em contrapartida, Kardec deixa claro que, além do objetivo essencial do espiritismo (que é o nosso desenvolvimento espiritual) ele – o Espiritismo – veio para propiciar as bases para uma nova sociedade. O desafio é: como formaremos uma nova sociedade se continuarmos falando para nós mesmos?

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

O VERNIZ SOCIAL (*)




               
Por Roberto Caldas (**)


               Diógenes, o filósofo, o mendigo e o cínico (412 – 323 A.C) foi descrito como alguém que carregava uma lamparina em pleno dia à procura de um homem honesto. Acreditava que uma virtude teria que forçosamente constituir-se em uma prática de vida e criticava com extrema veemência o verniz social com que a sociedade se vestia. Viveu a sua história com a simplicidade daqueles que sabem exatamente o que querem para si durante uma existência.

            Passado tanto tempo de proferidas as suas sentenças e alcançadas tantas novas lições de convivência social-escritas e pactuadas leis e constituições - e o homem ainda se vê incapaz de acreditar nas palavras dos seus semelhantes. Continuamos a exercitar a virtude das palavras e deixamos que a atitude se permita cobrir com os vernizes da desfaçatez diante das experiências do outro. O interesse pessoal sobrepuja as fórmulas da convivência compartilhada e mergulhamos na piscina do próprio umbigo, completamente embriagados pelo devaneio do querermos nos provar em posse da razão. Estamos em grupo e conseguimos viver numa condição de solidão demasiado dolorosa. Vivemos uma realidade ditada pelos princípios da vida material e se exibimos crenças religiosas, as mesmas nem sempre se revestem com os princípios da espiritualidade. 

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

RADICAL?




Por Jorge Luiz (*)



Certa feita, realçava as competências de um confrade que na minha compreensão reúne condições para exercer o principal cargo do movimento federativo cearense. Meu interlocutor concordou com as minhas ponderações, contudo, fez questão de frisar que o mesmo era tido por alguns como “radical”.

            Aqui e acolá deparamo-nos com esse rótulo-meme aplicado àqueles companheiros que de alguma forma ou outra se posicionam contrários a comportamentos ou práticas que conflitam com os fundamentos do Espiritismo.

            Antes de adentramos ao assunto na sua especificidade vamos ao verdadeiro significado da palavra radical, recorrendo ao dicionário Michaelis: Radical – Pertencente ou relativo à raiz. Que parte ou provém da raiz. Relativo à base, ao fundamento, à origem de qualquer coisa; fundamental.(...)”

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

A MARCHA EVOLUTIVA





Por Gilberto Veras (*)



A marcha que movimenta o Espírito em aperfeiçoamento é evolutiva, não há dúvida, mas a velocidade com que se desenvolve não é regular, nem constante e muito menos comum a todos. Cada pessoa caminha em função do grau de adiantamento espiritual que lhe é próprio, singular, não existem duas criaturas humanas com a mesma capacidade ativa de desenvolvimento, potencialmente sim, mas em operação não. 

O Espírito numa mesma encarnação avança em diferentes momentos de velocidades, como um veículo que se desloca no trânsito em função de congestionamentos, ora é mais rápido, ora é mais devagar, e, diante de sinal vermelho, paralisa. Nós também nos conduzimos assim. Quando o trânsito no rumo de nossa potencialidade divina está relativamente saneado de sujeiras e entulhos, nos deslocamos com certa liberdade e, em consequência, mais rápido subimos, quando, no entanto, nos expomos às investidas do mal, seduzidos por paixões egoísticas, a estrada recebe resíduos escorregadios deixados por chuva de miasmas, e somos forçados a conter os passos e até mesmo estacionar no aguardo de ventos favoráveis, mister compreender com lucidez que essa brisa boa só nos beneficiará se houver de nossa parte empenho, força de vontade e conduta receptiva a auxílios fraternos de ordem superior. 

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

A ANÁLISE DOS FRUTOS (*)






Por Francisco Cajazeiras(**)

“O homem bom tira boas coisas
de seu bom tesouro e o homem mau
do mau tesouro tira coisas más.”
(Jesus – Mt, 12:35)


Há pessoas que se apegam ruidosamente a uma ideia, acreditando  – por vezes de boa fé – no que franquearam se arquitetasse e aninhasse em nível íntimo, que se obstinam em levar às últimas consequências os objetivos adrede delineados.

Se a perseverança é uma virtude indispensável ao progresso do Espírito em curso evolutivo, não menos o são a prudência e o bom senso, sendo-lhe a teimosia óbice dos mais difíceis de transpor.

Indispensável, por conseguinte, analisar, sem paixões, os frutos do esforço desprendido, certo de que não pode doá-los maus a boa árvore, como a árvore má não os produz bons.
Se, pois, há desequilíbrio, mágoas, rancores e outros sentimentos menos dignos, ainda que dissimulados, por solvente do que se quer apresentar; e se há utilização de expedientes condenáveis, em desesperada ânsia de “comprovar” a própria crença, patenteia-se a verdadeira intenção, evidenciando-se indubitavelmente a má influência.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

A IDÉIA SOBRE DEUS (*)











Maior tema de discussão em todos os tempos: Deus. Desde as primeiras manifestações da inteligência foi buscado e confundido com os fenômenos naturais: fogo, chuva, trovão relâmpago, sol, dia e noite. Compreendido pelas civilizações mais antigas como a fusão das forças universais – Inn e Yang – denominado Chi (leia-se qui). Gregos e Romanos, incapazes de presumi-Lo inteiro, conceberam os semideuses e lhes denominaram pelos pendores atribuídos: do amor, da guerra, do comércio, do lazer e assim por diante.

            Passado tanto tempo do aparecimento da raça humana sobre a Terra, milhares de anos das primeiras sociedades humanas, depois de dezenas de línguas mortas e extintas inúmeras civilizações continuamos cegos e tateantes atrás de uma mera explicação que nos permita conceber a grandeza de Deus. Vacilamos aflitos entre filosofias que garantem que Ele nos terá criado e outras que exploram a ideia de que fomos nós quem O criamos. Vemos as religiões se debaterem incapazes de Lhe garantir um espaço no entendimento dos homens. Criou-se até um neologismo para os estudos que O envolve, a Teologia e com ela os Teólogos, tão perdidos e hesitantes quanto cada um de todos nós.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

ESPIRITISMO: MEIO OU FIM?



“Não olvideis que o objetivo essencial, exclusivo, do Espiritismo é vosso adiantamento”. Allan Kardec, O Livro dos Médiuns, capítulo XXVI, item 292


Por Alkíndar de Oliveira (*)

A nossa rica língua portuguesa nos traz vocábulos que, numa análise apressada, podem nos confundir sobre seus reais significados. Por exemplo, muitas vezes confundimos o significado das palavras “importante” e “fundamental”. Parece que o sentido de ambas as palavras é o mesmo, e na realidade elas têm sentidos diferentes e complementares. Para melhor entendermos os significados destas palavras, vejamos um exemplo: Numa refeição o prato e os talheres são importantes, mas a comida é fundamental. Isto é, sem o prato e talheres poderíamos até nos alimentar, mas sem a comida, não. Outro exemplo: Se como cristãos quisermos evoluir espiritualmente, termos uma religião é importante, mas termos Jesus como guia e modelo é fundamental. Isto é, sem uma religião formal poderíamos até crescer interiormente, mas sem ter Jesus como guia e modelo, não.

Com as informações acima, podemos refletir: O Espiritismo é importante ou fundamental para nossa evolução espiritual?
Para aumentar nossa possibilidade de acerto na resposta da questão acima, vejamos outra pergunta: Sermos adeptos do Espiritismo está fazendo com que todos nós, seus seguidores, sejamos pessoas espiritualizadas? Ou ainda outra: Se não conhecêssemos o Espiritismo, não haveria nenhuma outra possibilidade ou caminho para chegarmos a Jesus?

Agora, creio que já dá para concluir que, cristãos que somos, o Espiritismo é importante, mas fundamental é seguirmos Jesus. Portanto, para nós espíritas, o Espiritismo é o meio; seguir Jesus é o fim (no sentido de finalidade maior). Em outras palavras, se, de maneira alegórica atingir o cume da montanha significasse a vivência cristã, então para nós o Espiritismo é a estrada (o meio) para chegarmos ao cume (o fim).

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

BRASIL SEM ABORTO (*)









A humanidade passa por um período de transição e muitas são as decisões a serem tomadas pelas casas legislativas que estabelecem as leis que dirigem os destinos das pessoas.  Compreendemos que os costumes e as culturas acabam gerando choques de opiniões que se traduzem nos debates protagonizados por grupos constituídos em prol da defesa dos seus pontos de vista, bastante diversificados. É assim que temas como Globalização, Meio ambiente, Defesa das Minorias, Descriminalização do uso das Drogas dividem opiniões e criam ocasião de amplo debate.

domingo, 11 de novembro de 2012

COMPETIÇÃO E ESPIRITISMO (*)





 Por Francisco Cajazeiras (**)



A sociedade em que vivemos fomenta, a cada instante e em todo lugar, a competitividade e a rivalidade interpessoais e intergrupais com finalidades seletivas. Assim acontece na escola, no trabalho, no esporte, no lazer... e, até mesmo, na Casa Espírita – menos por orientação doutrinária e mais pela força dos hábitos e costumes arraigados em nosso íntimo e ainda hoje vigentes.
O esforço para melhor realizar e o anelo de mais produzir não são necessariamente um mal nem deveriam originar as emulações e os antagonismos. Não obstante, assim o fazem a expensas das sombras do egoísmo e do personalismo, como também da desenfreada busca pelo prazer mundano. Competir, em verdade, deve constituir-se em mecanismo favorecedor do aperfeiçoamento e do crescimento anímicos, nas fronteiras individuais e comunitárias, pela viabilização dos potenciais de conjunto, através da força do exemplo dos pioneiros e pelo encorajamento da precedência.
A Lei do Progresso age inexoravelmente, acordada à vontade divina, tornando compulsória a trajetória ascendente do Espírito.
Está no âmago de cada indivíduo a força motriz que o anima, destacando-lhe a necessidade impreterível do desenvolvimento espiritual. Cada criatura, no entanto, além da força intrínseca que a impele sempre e perenemente ao progresso, encontra nas necessidades da vida corpórea e nas realizações de seus pares o de que carece para a promoção do impulso essencial ao encontro do melhor, da perfeição, de Deus.

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

CRESCIMENTO ESPIRITUAL







Por Gilberto Veras(*)



            O crescimento espiritual está condicionado ao bom relacionamento sentimental com Deus e com o próximo, deste ensinamento cristão estou convencido por comprovação em experiências de vida. Ninguém prospera em espírito se não vivenciar sentimentos nobres recebidos do Criador em sementes e guardados em compartimento luminoso da alma, enquanto não processarmos o movimento superior de deslocamento ao manancial divino para nos abastecer de talentos poderosos (mais ou menos desenvolvidos em interações anteriores e vitoriosas com pessoas) não daremos passo a frente. A dificuldade do avanço anímico encontra-se exatamente nas internalizações pessoais, pois são indispensáveis e nem sempre bem-sucedidas.
            Como imperfeições (desalinhamentos com leis divinas, por escolhas desacertadas) são comuns no mundo inferior de nossas lides, é vezeiro, nas visitas internas, sermos atraídos por chamamentos infelizes de sentimentos malévolos (vaidade, egoísmo, arrogância e similares) que também moram na nossa intimidade, em recinto trevoso criado automaticamente pela ausência do bem, quando oportunidades de relacionamento com o semelhante foram corrompidas.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

ENSAIO SOBRE O EGOÍSMO






“Mas se se limitassem a colher

da doutrina uma satisfação pessoal,

seria uma espécie de egoísmo.” (Allan Kardec)
 



Por Jorge Luiz (*)


Há uma década mais ou menos, os expoentes da oratória espírita Divaldo Franco e Raul Teixeira, em vários momentos advertiram-nos da possibilidade da Doutrina Espírita migrar do Brasil em decorrência da inépcia e negligência dos espíritas brasileiros.

Mesmo se tratando de duas personalidades honoráveis no meio espírita as preocupações passaram ao largo, o que é uma peculiaridade marcante em nossas hostes. É intrigante como uma Doutrina que conclama a uma virilidade no existir propicia uma cultura de posturas passivas e consciências silentes. Interessante notar neste aspecto é que, culturalmente, temos construído memes (replicadores de idéias, costumes, hábitos) com o propósito de justificar a passividade ante os desafios que surgem em torno do Ideal Espírita.

Cito alguns desses memes espíritas. Um: “estou fazendo a minha parte”. Dois: “irá responder no outro lado”. Três: “isso é falta de caridade”. Quatro:“... está obsedado”. Cinco: “Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho” etc. Estes memes são simulacros de abnegação, humildade, tolerância, caridade, compaixão etc. Quando arguidos, invariavelmente, busca-se manter em “zona de conforto”. São posturas individualistas e acríticas perante situações e comportamentos que comprometem a ética espírita.

Em muitas ocasiões recusam-se até a defender a Doutrina aviltada, pela ignorância travestida de bondade e doçura. Os memes apagam da mente as atitudes viris do Mestre Jesus como a da passagem em que empunha o chicote expulsando os vendilhões do Templo. Estamos na Terra para conquistar e defender a dignidade humana, sem nos curvarmos antes as investidas da impostura. Há egoísmo, como bem diz Kardec, quando os interesses individuais buscam apenas a satisfação pessoal.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

EDITORIAL DO PROGRAMA ANTENA ESPÍRITA DE 04.11.2012

A PARTIR DE HOJE, TODAS AS SEGUNDAS-FEIRAS, ESTAREMOS PUBLICANDO O EDITORIAL DO PROGRAMA "ANTENA ESPÍRITA" QUE VAI AO AR TODOS OS DOMINGOS, NA RÁDIO CIDADE AM 860 MHZ, DAS 21:00H AS 22:00H.

Ainda se encontram frescas em nossas mentes as muitas previsões em torno do final do mundo com data determinada para os primeiros raios do ano 2000. A história das civilizações mostra que nos períodos de transição que envolvem o século ou milênio crescem expectativas em torno de grandes mudanças e as ocorrências globais passam a ser contabilizadas como se fossem o presságio de uma hecatombe. Alguns livros de ilibada reputação indicam os temores que tomaram conta das populações das cidades em tais períodos de mudança de época.
Somos testemunhas de que o advento do século XXI nos alcançou sem deflagrar qualquer turbulência que ameaçasse a existência da vida sobre o planeta e isso calou os milhões de pessimistas de plantão que previam a iminência do final do mundo fosse pelo choque de um asteróide ou pelo avanço dos oceanos em direção aos continentes, que submergiriam cessando a vida humana.

sábado, 3 de novembro de 2012

MARCHA CONTRA O ABORTO EM FORTALEZA DIA 11.11



A CILADA DAS ALMAS GÊMEAS








A Doutrina Espírita é clara no que diz respeito às almas gêmeas. Não existem metades que precisam se completar para desfrutar a eterna felicidade. Cada um de nós é uma individualidade que estabelece laços e afinidades com outras individualidades através dos tempos e das vivencias sucessivas. Se substituirmos o termo “gêmeo” por “afim”, vamos perceber que são muitas as almas afins que encontramos e reencontramos por esse mundão de meu Deus!... E que todas elas, cada uma seu modo, têm seu espaço e importância em nossa caminhada. Podemos dizer então que são várias as nossas “almas gêmeas”. Amigos, filhos, irmãos, pais, mães, maridos e esposas, entre outros, formam a imensa fileira das relações de afinidade construídas vidas afora.

Porém, apesar da clareza dos ensinamentos espíritas, ainda vemos muita gente boa, dentro do nosso movimento, cair nessa armadilha emocional, que está mais pra conto do vigário que pra conto de fadas, e pode gerar graves consequências, não só na vida pessoal como também no núcleo espírita em que trabalham.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

BRASIL SEM ABORTO - NANDO CORDEL

 



 


AMA O PRÓXIMO COMO A TI MESMO!

Por Gilberto Veras (*)


 
Somos todos obras do Criador concebidas por amor e com o fim de nos proporcionar a Felicidade, ninguém deve recusar esta destinação, pois, se assim fizer, receberá Dele resposta desagradável, em forma de dores e pesares, e com propósitos educativos que reconduzem o desviado à estrada de luz projetada (imperante e única). Compreendamos esse projeto de vida elaborado por Inteligência Suprema e de Amor, Bondade e Justiça infinitos.
Concedidos nos foram, em potencial, os recursos precisos, necessários e poderosos para deslocamento nesse caminho perfeito (limpo e de indizível conforto), esses instrumentos de que fomos dotados são movidos pela força do amor divino e estão latentes em recinto nobre (íntimo) e acompanhados por leis superiores gravadas em nossas consciências. O Idealizador Infalível naturalmente não privilegiou ninguém no ato de criação do homem, todos somos iguais na Sua Concepção (mesma potencialidade originária e com destino imutável e singular), o posicionamento de cada um na marcha evolutiva não contraria esta afirmação, pois depende, apenas, de acertos e erros no exercício do livre-arbítrio adquirido da Justiça