sábado, 30 de agosto de 2014

DEUS, NOSSA FONTE E NOSSA FOZ¹

          


Por Roberto Caldas (*)



       
Árvore da Diversidade
 O mundo é constituído pelas diversidades. Diversidade significa, na essência, diferença. Salve as diferenças! Só os sistemas autoritários vão tentar silenciar a discussão e se há autoritarismo, logo há o medo de ser desmascarado. Quem tentar impor ao outro a medida que utiliza para si próprio teme o repensar, o perceber-se em completo equívoco.
            A coragem do homem espiritualizado está na condição de respeitar as decisões do outro, não na sua capacidade de converter pessoas ao conteúdo de suas crenças. Quando tratamos de caminhada espiritual é fundamental a compreensão de que não há aquele que, isento de imperfeições, sirva de tradutor da mensagem fidedigna da verdade, se a si mesmo confere essa qualidade. O verdadeiro comunicador das lições superiores é destituído dos valores da prepotência e da pretensão. Os intérpretes da profunda lição da vida se apresentam como pessoas que não gostariam de destaque da multidão, a necessidade de holofotes decorre das vaidades materiais, do espetáculo egoico, das tentativas que acabam por lançar a mente às escadarias da loucura.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

DESEJOS





Por Paulo Eduardo (*)



Árvore dos desejos




Mil formas de querer. Desejos. Ânsia louca por um prazer. Tudo posto na pauta da responsabilidade para sentir a vida aureolada de emoções. Aspiração no toque material dos sentimentos.
Parece crônica erótica. Não é. Simbolizamos a aspiração real por dias melhores. Cobiça natural pelo bem. Patrimônio espiritual da nossa índole. Desejos. Sonhos. Suspiros em busca de bons propósitos para justificar nossa encarnação ou reencarnação visando a caminhada evolutiva da espécie humana.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

RETROCESSOS AUTORITÁRIOS À VISTA¹




Por Dora Incontri (*)



Dois fatos nessas últimas semanas deflagraram essa minha reflexão a respeito de uma tendência cada vez mais forte em nossa sociedade – eu a chamaria de tendência repressiva, autoritária, policialesca. A ideia de que tudo deve se resolver com punição, violência, coerção, sempre fez parte da história da humanidade. Vejam-se as prisões cruéis, as penas de morte, as torturas, as ameaças de inferno das religiões, as inquisições etc… Entretanto, nos últimos séculos, há muitos pensadores, defensores do direito, educadores, humanistas, que trabalharam com ideias mais elevadas, com propostas mais misericordiosas, com princípios mais humanos! Mas há momentos em que os partidários da “porrada” gritam mais alto que os defensores do humanismo, dos direitos humanos, do respeito à dignidade, do diálogo como forma de resolução de conflitos e como método de ação social. E considero que no Brasil estamos hoje atravessando uma fase dessas. Um retrocesso, portanto.

Duas cenas me impressionaram. A primeira foi a presença da polícia numa escola infantil, chamada por uma professora em Piracicaba, para uma criança de 3 anos, porque ela estava mordendo e chutando! E a outra, a repressão violenta da polícia em cima dos alunos da USP. O pior é que no caso de Piracicaba, a diretora da escola não disse nada, a polícia foi até a escola e a criança foi levada à delegacia. E o pior é que no caso da USP, centenas de pessoas no Facebook (inclusive muitas cristãs, espiritualistas e espíritas!!) gostaram, apoiaram e fizeram publicidade do método de “bater nos baderneiros, nos maconheiros” ou coisa que o valha!

domingo, 24 de agosto de 2014

COMPROMISSO




Por Gilberto Veras (*)



Seria bom para a humanidade que todos nós tivéssemos consciência dos nossos deveres no projeto divino da vida, a lei do progresso atuaria livre, sem oposições retardadoras, e seríamos obreiros vitoriosos galgando degraus em velocidade variável, é verdade, mas sempre ascendente, eliminaríamos a situação adversa do trabalho contra a vontade da Inteligência de Amor Supremo, e eventual retardamento só seria atribuído a comprometimentos pretéritos cujos resgates ocorreriam em reencarnações bem-sucedidas, com movimentos avante na estrada iluminada do bem.
Nossa missão no planeta de mares e céu azuis consiste no bom proveito de oportunidades divinas com o fim de desenvolver virtudes latentes concedidas pelo Alto e com poderes de avançamento, focados nesse compromisso e atendendo condições específicas (comportamentos em sintonia com normas naturais) situar-nos-emos em posição correspondente ao cumprimento da Vontade Superior, não ocorrerão falhas de insubordinação, desse modo estaremos semeando germes do sentimento original para colher frutos venturosos de sabor deífico, como consequência da lei de causa e efeito.
A paciência, associada à perseverança e tendo em vista ponto mais elevado, permitirá realizações promovedoras.

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

AUTOENGANO E AUTOCONHECIMENTO




“A vida irrefletida não vale
a pena ser vivida.”
(Sócrates, Apologia, 38,a) 




Por Jorge Luiz (*)





            Sabe-se que o grande Imperador de Roma, Caio Júlio César Otaviano (63 a.C – 14 d.C.) cuidou muito bem sobre a questão do autoengano e do autoconhecimento. Sempre quando ocorriam momentos de glórias em seu império e César voltava a Roma e era ovacionado pelas suas conquistas históricas nos campos de batalha, tinha sempre ao seu lado antigo e fiel escudeiro que dizia: “Lembre-se de que você é apenas um homem.”

            Autoengano

“(...) O que é a vossa vida? (...)” (Tiago, 4:14)
           
            Quem primeiro se preocupou com a questão do autoengano do homem enquanto Ser Moral, foi Sócrates (469-399 a.C), filósofo ateniense, ao observar a vida cega que seus concidadãos levavam, até mesmo por uma exigência da época, em contraponto ao reducionismo pré-socrático.
            Através dos métodos dialógicos – ironia e maiêutica – Sócrates, por meio de uma troca de perguntas ágeis, levava o seu interlocutor a uma aproximação progressiva com a verdade, fazendo-o render à ignorância, extraindo luz da escuridão.

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

EDUCAR: UMA ARTE AINDA DESCONHECIDA



“Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele.” 
(Provérbios, 22: 6).




Por Francisco Castro (*)





João Amós Comenius (1.592-1.670) em sua Didática Magna – Tratado da Arte Universal de Ensinar Tudo a Todos, no número quinze, nos diz textualmente: “Um dos primeiros ensinamentos, que a Sagrada Escritura nos dá, é este: Sob o sol não há nenhum outro caminho mais eficaz para corrigir as corrupções humanas que a reta educação da juventude.“ Como exemplo, ele cita o provérbio que transcrevemos acima.
Dizendo ele no número dezoito: “Cristo ordena que nós, adultos, nos convertamos como criancinhas, isto é, para que desaprendamos os males que havíamos contraído com uma má educação e aprendido com os maus exemplos do mundo, e regressemos ao primitivo estado de simplicidade, de mansidão, de humildade, de castidade, de obediência, etc. (...) Daí resulta que não há coisa mais difícil que voltar a educar bem um homem que foi mal educado. Na verdade, uma árvore, tal como cresce, alta ou baixa, com os ramos bem direitos ou tortos, assim permanece depois de adulta e não se deixa transformar.” 

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

VIVER SEM MEDOS¹

      


Por Roberto Caldas (*)



        A maior estratégia para quem almeje uma prática de poderio ou dominação sobre indivíduos ou grupos é a disseminação do medo. A pessoa sob as ondas imobilizadoras do medo perde a capacidade do raciocínio e se torna presa fácil do opositor, sem qualquer possibilidade de resposta criativa e independente, entregue às exigências estabelecidas por mais descabidas que possam parecer a quem se encontre avaliando o processo estando como mero expectador. Essa fórmula tem sido utilizada desde as mais primitivas épocas e foi responsável pelo freio que a humanidade sofreu em sua evolução tecnológica, mercê das perseguições ao pensamento inventivo durante a Idade Medieval.
            Os fantasmas que povoam as nossas mentes são o objeto de fixação da estratégia do medo para se perpetuar no comando de nossas ações, quando utilizados de forma utilitária pelos formadores de opinião que pululam em todas as modalidades de atividade humana. Vemo-los proliferados na sociedade de todos os tempos empunhando cetros de poder temporal e elevados à condição de comando de instituições de diversas especialidades desde as científicas até aquelas que, religiosas deveriam cuidar do equilíbrio mental das pessoas antes de aproveitarem-se de suas fragilidades. As lacunas da educação deixadas desde a infância é um dos fatores que mais contribuem para que alguém se deixe manipular pela desonestidade psicológica dos magos da persuasão delituosa, notadamente pelo despreparo de pais e educadores em fazerem resplandecer a força íntima de seus pupilos.

domingo, 17 de agosto de 2014

PRECES



Por Paulo Eduardo (*)



Conversa com Deus. Nunca foi tão necessária. Abrir canal de comunicação para mudar rumos perigosos do mal. Nascemos com o bem implantado no site da nossa consciência. O uso incorreto na forma de operar os computadores da existência é que vem causando os maiores problemas. A violência aliada à sofisticação dos crimes causa estupefação. Urge uma reação através da lógica ou da razão de sermos da família universal do Criador da vida. As preces estão aí postas à disposição de todos nós. Dizer com a força do querer. Desejar a paz do Senhor dentro dos cânones da sensatez. Voltar a mente às realizações fraternas buscando o equilíbrio para conviver com o nosso semelhante.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

PENSANDO A DEPENDÊNCIA QUÍMICA - PARTE II





Por Roberto Lúcio (*)



Em continuidade ao tema sobre o qual começamos a tratar em edição anterior, voltamos à visão dos efeitos da dependência química nas mais diversas dimensões do ser.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) traz, no conceito de saúde, as dimensões física, psíquica e social. Acrescentamos a elas a dimensão espiritual, lembrando que, na perspectiva espírita, temos a Essência Espiritual, ou o espírito propriamente dito, e o seu corpo espiritual, denominado, por Allan Kardec, de perispírito, que serve de molde para o corpo físico.

A viciação é uma doença espiritual, como descrito anteriormente, e é fruto da insegurança do ser. Um posicionamento anômalo da criatura em sua caminhada, durante a qual o desejo de transcendência sai do lugar verdadeiro, que é a sua realidade íntima no encontro com o seu Criador, e se encaminha para objetos ou situações externas, as quais se caracterizam pela possibilidade de um prazer fugaz e imediato, mas sem condições de levá-lo ao crescimento necessário. Prazer este incapaz de alimentar o espírito de forma adequada, pois nosso verdadeiro alimento é o Amor Divino. Só no encontro com Deus, por meio da vivência integral das Suas Leis, alcançamos o prazer maior, o êxtase dos místicos, que nos promove até a conquista da Felicidade.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

"PAIRECENÇAS" FÍSICAS E MORAIS¹

       


Por Roberto Caldas (*)



        Avaliando o conteúdo exposto em "O Livro dos Espíritos" a questão 207, que trata das semelhanças físicas e morais dentro dos contextos familiares, não há como fugirmos à compreensão de que os elos que nos vinculam uns aos outros decorrem de inequívocas atrações/repulsões geradas pela multiplicidade dos convívios espalhados pelos milênios e reprisados pelas inúmeras encarnações recheadas de encontros e desencontros. A consanguinidade é capaz apenas de permitir a reprodução fisionômica, marcada pelos traços biológicos que exibimos e denunciam a assinatura genética daqueles que nos doaram os seus caracteres.

domingo, 10 de agosto de 2014

ORAÇÃO EM BENEFÍCIO DOS PAIS






Por Gilberto Veras(*)



Pai Maior,
de Infinita Bondade,
expressão superlativa do amor,
rogamos Tuas Vibrações Poderosas
em direção a todos pais menores do planeta,
nossos irmãos de caminho,
aflitos e sofredores,
carentes do corpo ou da alma,
para que fortalecidos sejamos do ânimo empreendedor,
da fé removedora de obstáculos hercúleos,
da compreensão dissipadora de dúvidas ou juízos precipitados,
da serenidade companheira inseparável da paciência,
do perdão que descarta  rancores e mágoas,
da coragem que abre portas a conquistas enriquecedoras,
da caridade que combate a desigualdade
pela força impelente do sentimento áureo,
da paz que alinha coração e razão em atitudes harmoniosas.
Auxilia-nos, Inteligência Perfeita,
por intermédio de Teus mensageiros,
no alcançamento desses propósitos supinos.

Assim seja, aqui na Terra como no Céu.


(*) poeta e escritor espírita.

sábado, 9 de agosto de 2014

O OUTRO




Por Gilberto Veras (*)



A individualidade é a certeza de que ninguém está na mesma posição física ou espiritual de outrem, essa verdade não deve ser esquecida, senão incorreremos em falhas de observação prejudiciais às avaliações que antecedem o relacionamento humano e nos permitem estabelecer convivência saudável, decorrente de identificação adequada da personalidade de nossos pares. O próximo não é mais do que nosso semelhante, só nos é igual na potencialidade recebida e no destino reservado, tem o mesmo conjunto de germes perfectíveis contemplados pelo Alto, porém o desenvolvimento dessa poderosa capacidade justiçosa é trabalho de cada qual com colocação única na caminhada evolutiva, não é diferente da constatação concluída pela ciência humana, dois ou mais corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço. 

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

UM PROJETO DE FELICIDADE


Q. 920. Pode o homem gozar de completa felicidade na Terra?
Resposta: “Não, por isso que a vida lhe foi dada como prova ou expiação. Dele, porém, depende a suavização de seus males e o ser tão feliz quanto possível na Terra.” Livro dos Espíritos – Allan Kardec


Por Francisco Castro (*)



Conforme a resposta dada pelos Espíritos a Allan Kardec, na Terra o homem não pode gozar de felicidade completa, entretanto, da resposta podemos concluir que é possível que venha a gozar de relativa felicidade, pois só depende dele o ser tão feliz quanto possível na Terra, o que nos leva considerar a possibilidade de se elaborar um projeto de felicidade.
Projeto, em termos gerais, é um plano para realização de alguma coisa. Quem deseja construir uma casa, por exemplo, procurará um arquiteto para elaborar o projeto, um engenheiro para conduzir a construção, e contratar os operários necessários para a realização da obra.
Em se tratando de um projeto de felicidade, será possível se encontrar especialistas nesse tipo de trabalho? Penso que essa é uma tarefa que compete a cada pessoa, individualmente.
Felicidade é uma sensação de bem estar e contentamento que pode ocorrer por diversos motivos, o que levou Allan Kardec a fazer a seguinte pergunta aos Espíritos superiores em O Livro dos Espíritos:
Q. 922. A felicidade terrestre é relativa à posição de cada um. O que basta para a felicidade de um, constitui a desgraça de outro. Haverá, contudo, alguma soma de felicidade comum a todos os homens?

terça-feira, 5 de agosto de 2014

VIDAS PASSSADAS




Por Paulo Eduardo (*)



Medo. Sensação estranha. Pensamentos intrigantes. Tudo reunido em emoções não identificadas. Sensações de ter vivido determinadas experiências. Reflexões inexplicáveis. Busca permanente por conhecer novos horizontes de vida. Apoio religioso para tentar entender as diferenças sociais do mundo. Viver novamente é possível? - Indagações cuja mente acumula no afã de procurar a luz do caminho. 
Retroceder a vidas passadas é possível. Mergulho sublime na comunicação mediúnica capaz de aclarar dúvidas inquietantes. Por que tanto sofrimento na convivência com os nossos semelhantes? Mente e espírito no patamar do mesmo fluxo livre de energia. Relacionamentos interligados por uma força estranha que nos aproxima em nome do amor. Casamento e família, por exemplo, no destaque maior do compromisso tão importante para sedimentar a tolerância capaz de superar velhos registros conscienciais de vidas passadas, na esteira da existência evolutiva. 

domingo, 3 de agosto de 2014

PASSAR A LIMPO CURA A ALMA¹

                


Por Roberto Caldas (*)



                Fomos embalados por uma canção antiga, cujos créditos autorais são reconhecidos ao poeta/compositor Ivan Lins: “começar de novo e contar comigo... vai valer a pena”.
            Somos convidados, às vezes compelidos, diante das situações que se criam em nossas existências a tomar decisões que mudem a rota conhecida. Individual ou coletivamente, a necessidade de mudança geralmente decorre de uma sensação de desconforto importante que interfere na qualidade do bem estar, sem o qual não faz muito sentido continuar a estratégia até então escolhida. Daí o passo a ser tomado nem sempre é muito fácil de ser decidido, pois importa em transformar uma paisagem a qual estamos acostumados, mas deixou de corresponder à aspiração de alegria que deve envolver os nossos passos. Natural que haja um intervalo em que a dor e o pasmo predominem em nossa mente enquanto um sabor amargo preenche a nossa caminhada.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

PENSANDO A DEPENDÊNCIA QUÍMICA - PARTE I




Por Roberto Lúcio (*)




Vivemos em um mundo cheio de crises nas mais diversas áreas. Situação que não poderia ser diferente, tendo em vista que vivenciamos um tempo de transição, no qual quaisquer tipos de valores deverão ser aferidos, na chamada separação entre o trigo e o joio, possibilitando o desaparecimento daquilo que não mais interessa para a evolução planetária. Assim, só restarão os princípios e os elementos imprescindíveis para viabilizar o mundo de regeneração, tão propalado no movimento espírita.

É fundamental, portanto, desvincular-nos daquilo que já não é mais útil, ligando-nos aos padrões mais nobres nos mais variados campos de ação do espírito, na construção do homem novo, na busca da angelitude.

A dependência é uma dessas vivências que amarram o espírito às situações de inferioridade, não nos permitindo alçar voos maiores, mantendo-nos ligados a este mundo de provas e expiações.