quarta-feira, 27 de março de 2013

CONFLITOS






 Por Gilberto Veras (*)


Ao encontro de duas forças antagônicas dá-se o nome de conflito. Este choque de energias contrárias pode ocorrer no mundo físico ou transcendental, na intimidade pessoal ou no exterior com a participação de terceiros, registrado por nossas vistas e nossos sentimentos. A sensação que o conflito causa nas pessoas é por demais desagradável, inibe a paz, desorienta o raciocínio e acolhe o desamor. Quem de nós não já experimentou desse veneno?...Com a certeza da verdade, todo ser humano é vulnerável a esse imbróglio psíquico, isso porque nossa imperfeição dá lugar íntimo a dois poderes adversos, o bem e o mal, o primeiro concedido pelo Criador Amoroso para nos propiciar a felicidade, e o outro por nós mesmos criados ao nos desalinhar com as leis divinas de comando, equilíbrio e controle, representadas, no campo moral, pela lei magna de amor, justiça e caridade.

terça-feira, 26 de março de 2013

A MENSAGEM LIBERTADORA E DESAFIADORA DO MESTRE DA GALILÉIA (*)






 Por Roberto Caldas (**)


Ao longo do Novo Testamento lemos relatos, que posicionam os personagens daquela saga envolvendo a vinda de Jesus à Terra, em trânsito pelo deserto. Poucas vezes buscamos na forma mágica da essência, a compreensão dessa expressão tão repetida. Provável que muitos até julguemos tratar-se de uma enorme extensão de terras desabitadas e insalubres.
Importa que os personagens flagrados indo ou vindo desses desertos geralmente se defrontam com momentos de rupturas espetaculares em suas vidas, as quais jamais voltariam a ser como eram antes dessas experiências. Podemos quase generalizar, para aqueles homens ou mulheres que foram contemporâneos de Jesus, participando de qualquer forma de sua convivência, que tiveram muitos desertos em suas vidas. Obrigados que se sentiam pelas suas consciências a fazerem um mergulho nas profundezas de suas almas, para confrontarem os monstros silenciosos do passado trazidos à iluminação da mensagem renovadora e desafiadora do Mestre da Galiléia.

domingo, 24 de março de 2013

JESUS, O AMOR PERFEITO DE TODO O BEM






Por Sérgio Aleixo(*)


Muito se fala em reforma íntima, ou interior. Que seja. A expressão, contudo, parece algo insuficiente a propósitos tão transversais como os do Espiritismo. Simples reformas não operam mudanças substantivas, cuja significação anime em definitivo o fomento de uma nova sensibilidade, que é, sem dúvida, a meta suprema do Evangelho do Mestre.
Os ensinos e a vida de Jesus em tudo se distanciam destes simulacros comportamentais, de meras exibições proselitistas, que as religiões do oportunismo ousam chamar de “conversões”. Há que considerar o sentido mais radical da mensagem genuinamente cristã, que se reporta a nossa mudança de mente, à passagem de nossos níveis de consciência a percepções mais apuradas do existir, mediante a compreensão da necessidade de enfrentarmos o coexistir segundo Jesus: aquilo que queremos que nos façam, devemos fazê-lo primeiramente aos demais, pois não há amor a Deus que não se faça amor ao próximo e vice-versa; do contrário, não haveria amor e, mais ainda: sem amor, já não haveria Deus.
Para tanto, são precisos movimentos de grande profundidade do ser imortal, que o conduzam para além da sua face animal, da mecânica física e mesmo da aparência perispirítica, e lhe proporcionem surpreender-se neste poder de constante transformação, fundamentalmente moral, por influência de nossa identidade perene em sua incorruptível transcendência, de divina natureza. Todos somos filhos do Altíssimo!

quinta-feira, 21 de março de 2013

TRANSIÇÃO PLANETÁRIA





 Por Paulo Eduardo (*)



Os livros têm vida. Mostra inestimável dos valores que nos encantam. O livro transcende às amizades. São autênticos seres capazes de interligar momentos em viagens existenciais. Transações nos relatos além da simples imaginação dos encarnados nas jornadas evolutivas neste Planeta Terra.
Através da mediunidade estuante de Divaldo Pereira Franco veio a lume “Transição Planetária”. Compêndio ditado pelo espírito Manoel Philomeno de Miranda. Obra editada para o futuro, mercê das vivências de hoje com base em tudo o que se vem acumulando do ontem das nossas vidas.
Livro sensacional e completo no seu ideário de esclarecer paradigmas da justiça, do dever, da ordem e do amor. Ilações belíssimas onde Divaldo P. Franco consegue a superação das suas próprias fases de doutrinação na fascinante e verdadeira Meca espiritista. Nunca um trabalho mediúnico atual foi tão minudente na dissertação dos novos rumos da presente leva de encarnações evolutivas. “Transição Planetária” traz luz ao entendimento racional de tudo o que nos cerca. Idas e vindas de encontros e desencontros da nossa trajetória pelo Planeta Terra. Herança divina de uma messe de amor capaz de iluminar o mundo. Serviços e socorros inesperados entre os humanos relacionados para receber lições de alta magnitude. Desafios existenciais Na análise de dois autores mediunicamente entrosados para produzir a literatura do bem.

terça-feira, 19 de março de 2013

MEDOS E MEDO





Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz.” (Platão)(*)

Por Jorge Luiz (**)


            John B. Watson(1878-1958), psicólogo estadudinense, considerado o fundador da psicologia comportamentalista, sugeria que os bebês demonstravam três padrões fundamentais de resposta emocional não aprendida: medo, raiva e o afeto. Para ele, essas três emoções são a base para os desdobramentos nas demais emoções positivas e negativas, que surgirão de acordo com o processo de educação e socialização do indivíduo.
            Vivemos hoje em uma sociedade dominada pelo medo, para constatarmos isso, basta olharmos muros e fachadas de imóveis residencias e comerciais.. Ele está estampado em cercas elétricas, câmeras, cães, seguranças particulares. O medo, portanto, espreita-nos a todo o momento.
            O medo do fim do mundo! O medo do “sobrenatural”.  O medo da morte. O medo de amar. O medo da solidão. Medo da violência. Medo da velhice. Enfim... medos; medos...medo!
             O Espírito Hammed afirma que “o resultado do medo em nossas vidas será a perda do nosso poder de pensar e agir espontaneamente.” Isso se reflete no cotidiano, favorecendo a desconfiança e inibindo a convivência com o semelhante. Opta-se, portanto, pela interação em comunidades do mundo virtual.

domingo, 17 de março de 2013

O PROTOCOLO DAS PRÁTICAS ESPÍRITAS (*)





 Por Roberto Caldas (**)



Na Revista Espírita de abril de 1864, Allan Kardec escreve a respeito do Controle Universal dos Espíritos. No texto então publicado o Codificador demonstra onde se encontra a força da Doutrina Espírita diante dos desafios e desconfianças, ameaças e ataques que viesse a sofrer na posteridade. Ressalta a sua natureza multicêntrica relacionada com a eclosão da mensagem dos Espíritos em diversos países e através de diversos médiuns ao mesmo tempo, afirmando tratar-se de um conhecimento sem proprietários entre os encarnados, mas ao mesmo tempo referendado pela coerência dos ensinamentos exalados em uma época em que as informações demoravam a chegar de um ponto ao outro do planeta.

sexta-feira, 15 de março de 2013

EM BOA HORA





 Por Gilberto Veras (*)




Não precisamos de tanta perspicácia para verificar que a humanidade em nosso planeta, de azul tão lindo quando observado de fora, no espaço sideral, está sombreada de comportamentos não condizentes com a moral cristã. A ciência, a tecnologia e a intelectualidade navegam de vento em popa, e a moralidade com a lentidão dos remos movidos por braços evangelizados que, mesmo saudáveis e empenhados, são relativamente inexpressivos em resultados desejados, não conseguem acompanhar a velocidade alucinante da outra asa do progresso, desenvolvida sem critério, impulsionada pela ambição incontrolada da vaidade e egoísmo humanos. O evangelho de Jesus tem imensa dificuldade de ressonância, em dias hodiernos. O deslumbramento do ego ao ser admirado, indicado como referência e exemplo de inteligência cerebral, arrasta multidões, e o trabalhado implantado pelo Mestre Galileu com força da inteligência emocional, que move sentimentos virtuosos, poderosas ferramentas do crescimento espiritual, é relegado a segundo plano, em escolha infeliz e perigosa. A situação é preocupante, vai de encontro às leis divinas de equilíbrio e de fraternidade, semeia a discórdia, confronta a paz, inibe o congraçamento, aplaude a arrogância e atenta contra a igualdade de origem e destinação da criatura humana, não respeita a lei divinamente amorosa de aperfeiçoamento do ser imperfeito e que é perfectível, desvirtua o conceito de religião para entendê-lo como seitas que se arvoram no direito de exclusividade ao reino de Deus, em contradita aos ensinos cristãos que permitem defini-lo como a religação da criatura com o Criador através do aperfeiçoamento, estabelecido em definitivo por ações caridosas, no relacionamento com o próximo e com o Inventor da Vida, independentes de preceitos ou normas.   

quinta-feira, 14 de março de 2013

ESPÍRITAS: EDUQUEM BEM AS CRIANÇAS






Por Alkíndar de Oliveira (*)



Você já reparou como as crianças de hoje são muito inteligentes.
Até poderíamos afirmar que sempre foi assim. As crianças, mesmo em gerações passadas, sempre demonstraram ter um espírito mais irrequieto, mais questionador e mais criativo do que o adulto. Mas, numa análise imparcial, não precisando nem mesmo termos uma percepção aguçada, iremos constatar – pela simples observação - que as crianças de hoje são muito mais inteligentes do que as crianças das gerações passadas.
Sabe por que as crianças de hoje são muito mais inteligentes do que as crianças das gerações passadas?
A resposta está no fato de que os espíritos que hoje estão reencarnando são espíritos especiais. Você, caro leitor amigo, pode até pensar: Como eu, o autor deste texto, posso com segurança fazer tal afirmação?
A base desta afirmação (além da simples observação do comportamento de uma criança, onde qualquer pessoa atenta constata essa mudança de rumo ) é o esclarecimento de Joanna de Angelis em seu livro “Momentos de Harmonia” (editado em 1.991, psicografia de Divaldo Pereira Franco, Editora Leal ).
No capítulo 10 do citado livro diz Joanna de Ângelis:
“Ao invés de um cataclismo que ceife as vidas e aniquile a sociedade e a Terra, dá-se, neste momento, a renovação do Planeta, graças à qualidade dos Espíritos que começam a habitá-la, enriquecidos de títulos de enobrecimento e de interesse fraternal.

terça-feira, 12 de março de 2013

OS ESPÍRITOS NÃO TEM SEXO (*)




Por Roberto Caldas (**)






O avanço das conquistas sociais observadas nos dias atuais passa, necessariamente, pela jornada de paulatina inserção da mulher nos espaços de decisão das graves questões humanas. Durante muitos séculos a cultura do mundo impunha ao gênero feminino uma participação secundária nas grandes discussões que estabeleciam as diretrizes conjunturais da sociedade e sua entrada nos primórdios do mercado de trabalho provavelmente se deveu à escassez da mão de obra masculina, uma vez que os homens tinham as suas vidas ceifadas pelas muitas guerras e colocavam sob risco a produção.

segunda-feira, 11 de março de 2013

EDUCAÇÃO PARA A MORTE



“Em que se transforma a alma no instante da morte?
- Volta a ser Espírito ou seja, retorna ao mundo dos
Espíritos que ela havia deixado temporariamente.
(“O Livro dos Espíritos", questão 149)


Por Jorge Luiz (*)


            O programa Pinga-Fogo, entrevista concedida por Chico Xavier (1910-2002), na extinta TV Tupi, em 1971, apresenta fatos curiosos da vida desse saudoso espírita. Um deles relata situação que o Chico vivenciou em um voo doméstico de Uberaba para Belo Horizonte (MG), quando o avião passou por forte turbulência e todos os passageiros, incluindo o médium mineiro, vivenciaram pânico por imaginarem morte certa.
            Diante desse conturbado momento, o Espírito Emmanuel, guia espiritual do Chico Xavier, repreendeu-o pela falta de fé na imortalidade da alma, diante de um “cala a boca e morra com educação”. E o Chico redarguiu: “Eu só quero saber como se morre com educação.”
            A indagação de Chico Xavier é pertinente. Em nossos dias o termo ainda causa perplexidade, rejeição franca, clara ou velada, ou riso, ou outro tipo reação, não só do leigo, como também dos profissionais da educação.

sábado, 9 de março de 2013

A CONTRIBUIÇÃO DE JOSÉ HERCULANO PIRES (1914-1979)



 09.03 - ANIVERSÁRIO DA DESENCARNAÇÃO DE JOSÉ HERCULANO PIRES - NOSSA HOMENAGEM

 Por Dora Incontri (*)


Ainda poucos no movimento espírita conseguem aquilatar a contribuição única que Herculano dera ao desenvolvimento do espiritismo.
A primeira dessas contribuições está na própria compreensão da idéia espírita. Tratando-se de uma revolução conceitual, uma quebra de paradigma, um passo inédito na história do conhecimento – a sua dimensão e o impacto renovador de suas propostas ainda não foram entendidos pelos seus adeptos mesmos, que o tocam apenas superficialmente, carregados dos vícios religiosos do passado, incapazes de singrarem nos mares abertos, descortinados por Kardec.

sexta-feira, 8 de março de 2013

DIA INTERNACIONAL DA MULHER






A força faz o direito nas relações humanas, de maneira inversamente proporcional ao avanço moral de um povo. Assim, também, nas relações entre o homem e a mulher.
     Observam-se, infelizmente ainda, em nossa sociedade, traços marcantes do preconceito, dos maus-tratos e da violência contra a mulher, no que pese seu indiscutível e crescente processo de emancipação.
     Por conta desse estado de coisas é que se faz necessário o emprego de dispositivos legais como a “Lei Maria da Penha”, das delegacias das mulheres e das demais instituições que se determinam em a ssegurar à mulher proteção e bem-estar.
     Homem e mulher são iguais diante de Deus e devem ter os mesmos direitos, asseveram-nos os Espíritos Reveladores, em O Livro dos Espíritos, respondendo às questões 817 a 822 (e é importante realçar ter sido este livro escrito há 156 anos atrás!).

“O homem e a mulher são iguais perante Deus?
– Deus não deu a ambos a inteligência do bem e do mal e a faculdade de progredir?”

quinta-feira, 7 de março de 2013

SER PAI NO SÉCULO XXI





 "As crianças aprendem com os pais a serem
futuros pais e mães."

 Por Dora Incontri(*)


Cristóvão Colombo, o navegador, com suas grandezas e suas pequenezas, é considerado pelos seus biógrafos como um bom pai. Quando escrevia a seus filhos Diego e Hernando, costumava assinar assim: “Tu padre que te ama más que a si!” Acho bem interessante essa maneira de caracterizar a paternidade (e, sem dúvida, também a maternidade), porque ser pai e ser mãe significa exatamente ter a maior oportunidade de remover o egoísmo. Naturalmente, quem assume os filhos, e cumpre sua missão, sai de si mesmo, de sua zona de conforto e tem que doar-se inteiro, em cansaço, lutas, ideais, afeto, preocupações… mas, por outro lado, que colheita farta de amor, alegria, conforto na alma, de ver filhos crescendo, se fazendo, se tornando pessoas grandes e de bem!

A civilização contemporânea, com seu individualismo assumido, pregado aos quatro ventos, se põe contrária a essa tarefa (tanto paterna quanto materna), porque exige-se que pais e mães atuais primeiro têm de pensar na empresa, no emprego, vestir a camisa, não ter horário, não desobedecer ordens de viagens, horas-extras, transferências… não importa a vida familiar para o empregador anônimo capitalista. Em minhas viagens Brasil afora, eu como solteira (e saudosa dos sobrinhos), vejo nos aviões muitos pais e mães tristonhos, saudosos do lar, vejo outros enregelados, que assumiram esse discurso como bom e necessário e já deixaram para lá, e encontro muitos também que  não pensam em ter filhos, porque acham não poderem coadunar família e trabalho.

quarta-feira, 6 de março de 2013

CONVIVER






Por Paulo Eduardo (*)

Viver em comum. Uma arte. Saber o porquê da existência da família. Ter familiaridade. Respeitar os limites do outro. Convivência para sustentar harmonia. Tudo tem o seu aporte notadamente em preceitos religiosos. A Doutrina Espírita vem crescendo conceitualmente nessa temática de conviver.


O Centro Espírita trabalha bem a ideia de igualdade. Ambiente de estudo para integrar. Objetivos bem definidos na valorização dos espaços a fim de exercer a solidariedade. A convivência solidária e fraterna estimula a paz social. Religião é religar com Deus. O Espiritismo vem crescendo também como religião.

Avança na ciência e pratica a filosofia da caridade. Regras básicas para conviver. O convívio é essencial a fim de estabelecer sintonia agradável. Os considerados bons espíritos amam os relacionamentos de paz. Faz parte da diuturna forma no sentido de preservar o vínculo família. A conversação do equilíbrio surge do modo simples e inteligente de conviver.

terça-feira, 5 de março de 2013

VERBO PRODUCENTE







 Por Gilberto Veras (*)


Não nos conformemos em ouvir palavras de itinerário limitado cujo destino final é a mente, lugar de raciocínios e lucubrações, e por ali se acomodam desprovidas de realizações dignas, até fenecerem por golpe fatal do esquecimento infrutífero. Escolhamos as producentes, promovedoras do ser, que trabalham no campo mental, envolvem-se de sentimentos e deslocam-se a nobre recinto no imo da alma, para, providas de recursos poderosos, executarem obras fraternais, aquelas benevolentes, movidas pela força do amor, e nunca pela sedução corrupta da vaidade improfícua.

domingo, 3 de março de 2013

MUDE O MUNDO...TRANSFORMANDO-SE (*)




Por Roberto Caldas (*)







"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto." A frase em epígrafe é da lavra de um dos maiores brasileiros de todos os tempos (Ruy Barbosa – 05/11/1849 a 01/03/1923). Dita em outra época, diante de um sistema sócio-político diferente e de personalidades que já não fazem parte da atual realidade brasileira, parece que a sentença foi retirada dos jornais do dia de hoje.
            Estamos na atualidade diante de situações aflitivas que permeiam a rotina dos nossos dias, fruto das imperfeições humanas que retratam o conjunto da população do planeta, traduzidas pelas desigualdades sociais, falta de liberdade, administração fraudulenta, violência escancarada, assassinato da ética. Ao mesmo tempo acompanhamos a explosão de civilidade expressa pela conquista das refinadas tecnologias que transformam o mundo em uma sala e consegue salvar vidas em procedimentos jamais pensados na década passada. O pasmo desse contraste nos leva a pensar que a humanidade, enquanto progride tecnologicamente, degrada e regride do ponto de vista moral.

sexta-feira, 1 de março de 2013

THEODORO CABRAL




Por Luciano Klein (*)





Natural de Itapipoca (imagem), Ceará, nasceu a 9 de novembro de 1891. Foram seus pais: Francisco Gonçalves Cabral e Maria de Lima Cabral.

Pertencente a família pobre, emigrou para o Estado do Pará onde se iniciou na vida prática. Graças à sua inteligência e dedicação nos estudos, adquiriu conhecimentos gerais, notadamente de línguas, com rara facilidade, sem haver freqüentado qualquer curso além da escola primária. Estes mesmos atributos levaram-no ao jornalismo, no qual se projetou com rapidez e brilhantismo.