sexta-feira, 1 de março de 2013

THEODORO CABRAL




Por Luciano Klein (*)





Natural de Itapipoca (imagem), Ceará, nasceu a 9 de novembro de 1891. Foram seus pais: Francisco Gonçalves Cabral e Maria de Lima Cabral.

Pertencente a família pobre, emigrou para o Estado do Pará onde se iniciou na vida prática. Graças à sua inteligência e dedicação nos estudos, adquiriu conhecimentos gerais, notadamente de línguas, com rara facilidade, sem haver freqüentado qualquer curso além da escola primária. Estes mesmos atributos levaram-no ao jornalismo, no qual se projetou com rapidez e brilhantismo.

Regressando a Fortaleza, colocou-se no comércio exportador como tradutor e correspondente.

Iniciou-se na imprensa cearense como um dos redatores da “Gazeta de Notícias”, em 1927, jornal fundado nesse mesmo ano por seu grande amigo Antônio Drumond. Durante quatro anos redigiu a coluna “Ecos e Fatos”, assinando-a com o pseudônimo “Políbio” (muitas vidas), alusão à sua crença na reencarnação. Essas crônicas fizeram época no periodismo local.

Em 1931, assumiu a presidência da Associação Cearense de Imprensa, permanecendo no cargo até 1932, quando se transferiu para o Rio de Janeiro. Na capital da República participou, por algum tempo, da redação do “Diário de Notícias” e da “Tribuna”.

Depois de haver servido no Instituto do Açúcar e do Álcool, foi nomeado Assistente Técnico do Escritório de Informações Comerciais do Brasil, em Praga e Budapest (1938-1942), durante a fase crucial da Segunda Guerra Mundial, transferindo-se depois, para alívio de seus familiares, para Bogotá, na Colômbia, na qualidade de chefe, ali permanecendo até 1946.

Regressando ao País, foi nomeado Chefe de Seção da Enciclopédia e do Dicionário do Instituto Nacional do Livro, dedicando-se à tradução de obras raras sobre Geografia e História do Brasil.

Nome dos mais queridos e respeitados da Maçonaria no Ceará, foi um dos fundadores da Loja Fortaleza n.º 3, em 1928, sendo seu primeiro venerável. Pertenceu, ainda, à Academia Cearense de Letras. De sua bibliografia constam: Léxico Açucareiro Inglês-Português, Dicionário Inglês-Português, Dicionário Comercial Espanhol-Português e Português-Espanhol.

Theodoro tornou-se espírita por influencia de seu pai que, chegando a Itapipoca no ano de 1885, trouxe na sua pequena bagagem livros da Codificação, possivelmente os primeiros do Ceará.

Ao lado de Raymundo de Lavôr, Manuel Soares da Cunha, Cyrillo Pereira Nobre e outros espiritistas dos primeiros tempos, trabalhou no Centro Espírita Cearense, instituição que presidiu na década de 20. Foi um dos fundadores da Federação Espírita Cearense, em 1931, que funcionou no prédio do Centro Espírita Cearense.

Em 1926, ajudou o admirável alfaiate Manoel Félix de Moura Amazonas nos trabalhos do Grupo Espírita Vianna de Carvalho, fundado em Fortaleza nesse mesmo ano, em homenagem ao grande tribuno de Icó, desencarnado no dia 13 de outubro de 1926. Com Stefânia Rocha, Nemésio Bezerra Filho, Francisco Brilhante, Raimundo Menezes, Lauro Pinto, Paulino de Moraes e o próprio Moura Amazonas, integrou o corpo de redatores do periódico “Reencarnação”, órgão do referido Grupo.

Orador apreciadíssimo, alma generosa, “Políbio” deve ser lembrado como um dos grandes nomes do Espiritismo na Terra da Luz.

Desencarnou, no Rio de Janeiro, a 23 de junho de 1955.


(*) historiador e presidente da Federação Espírita do Ceará.

.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns Luciano pela excelente biografia... Saúde e paz...

      Excluir
  2. Qualquer movimento ideológico tem que ter memória. O confrade Luciano Klein como historiador, faz isso com maestria. Nós que fazemos o "Canteiro de Ideias" sentimo-nos felizes com essa perspectiva.

    ResponderExcluir