sábado, 17 de dezembro de 2016

PARA ACORDAR LEMBRANÇAS (*)









Nos últimos dias do segundo milênio, portanto no final do ano 2000, segundo nos conta o espírito Ermance Dufaux, no Livro Reforma Íntima Sem Martírio, psicografia do médium Wanderley Soares de Oliveira, alguns espíritos de escol, dentre eles, Eurípedes Barsanulfo e Bezerra de Menezes, reuniram em um Conclave mais de mil formadores de opinião no movimento espírita: “Radialistas, unificadores, médiuns, escritores, oradores, dirigentes, apresentadores, jornalistas, expositores, diretores, estudiosos e muitos presidentes de centro espírita”, todos ainda encarnados. Esses companheiros foram levados durante o sono para participar desse evento, realizado no Hospital Esperança, de que nos fala o espírito Manoel Philomeno de Miranda, cujo principal objetivo era “uma breve e oportuna advertência”. 

Segundo nosso entendimento do relatado na obra já citada, a espiritualidade, empenhada em nos orientar para um correto aproveitamento da oportunidade encarnatória, visava alertar aos que participavam daquela seleta assembléia de espíritos que ainda se encontravam na veste carnal, não só dos compromissos assumidos antes da investidura no corpo, mas, principalmente, sobre os compromissos assumidos nessa atual existência, pelo conhecimento já demonstrado da Doutrina codificada por Allan Kardec. Nossa intenção ao repercutir aquele conclave é, como diz o título acima, ACORDAR AS LEMBRANÇAS daqueles que integram o movimento espírita cearense e que, com certeza lá se encontravam. Considerando a participação dos cearenses na população espírita total, segundo cálculos que fiz, levando em conta que no Ceará se encontra em torno de 1,5% da população espírita brasileira, naquele conclave deveria ter aproximadamente 15 integrantes do Ceará. Já revirei minhas lembranças e cheguei à conclusão de que eu lá não me encontrava, mas... e você? Não estaria entre os presentes? Não seria o caso de ler, ou de reler com mais atenção aquele capítulo do livro da Ermance com o fim de acordar suas lembranças? Mesmo concluindo pela minha ausência, após a leitura do capítulo que fala daquele importante conclave, tomei para mim o propósito de procurar colaborar, modestamente, com a divulgação daquelas idéias. 
Daí me encontrar utilizando esse espaço de Canteiro de Ideias* não só para chamar atenção para o texto daquele capítulo do livro Reforma Íntima Sem Martírio, mas para lembrar o que diz Allan Kardec no item 350 de O Livro dos Médiuns: “Que importa crer na existência dos espíritos, se essa crença não faz aquele que a tem se torne melhor, mais benigno e indulgente para com os seus semelhantes, mais humilde e paciente na adversidade? De que serve ao avarento ser espírita, se continua avarento; ao orgulhoso, se se conserva cheio de si; ao invejoso, se permanece dominado pela inveja?” O objetivo da Doutrina revelada pelos Espíritos Superiores a Allan Kardec é o aperfeiçoamento do indivíduo, é conduzir os homens a se tornarem bons e, assim, dar início a uma nova era na história da humanidade. Falamos em alteridade, quando a mensagem do Espírito Verdade em O Evangelho segundo O Espiritismo é mais simples: “Espíritas! Amai-vos, este o primeiro ensinamento”. Ressaltando que o Espírito Verdade, apenas nos faz recordar o que dissera Jesus: “Os meus discípulos serão conhecidos por muito se amarem”. Em nossas andanças pelas casas espíritas nos lembramos sempre de indagar, de forma a que possamos sempre lembrar a nós mesmos o que dizemos: Será que nossa família já percebeu alguma melhora em nosso comportamento pelo fato de termos abraçado a Doutrina Espírita? E os nossos colegas de trabalho, nossos amigos e os companheiros de trabalho na Casa Espírita? Já sentiram alguma melhora em nossas atitudes? Será que já somos capazes de demonstrar uma conduta Espírita e uma Vivência Evangélica, ou nos preocupamos muito em receitar o remédio sem nos lembrar de que também precisamos dele? Já que comemoramos esse mês o nascimento de Jesus, por que não aproveitamos essa oportunidade para Pensarmos Nisso?
(*) Esse texto foi originalmente publicado no Jornal Gazeta Espírita sob o título Acordando Lembranças.

3 comentários:

  1. Este artigo cai na alma como gotas de chuva benéfica.
    "Senhor, que queres que eu faça?", eis a mais alta pergunta das nossas vidas. Paulo de tarso a fez, Francisco de Assis também... Certamente para deixarem-nos o roteiro... mas também o moço rico a proferiu em outros termos: "Que devo fazer?" Quem se dispuser a fazê-la com sinceridade, com desejo de colocar em prática a recomendação... encontrará paz, embora cercado pela tempestade.

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo e irmão Castro, forçaste-me a reler novamente o capítulo da obra citada. Realmente seu chamado é pertinente. A obra como as demais do médium Wanderley Oliveira sofreram ataques sistemáticos do movimento espírita brasileiro chegando ao ponto de colocarem em xeque a sua mediunidade. Talvez, seja pelo conteúdo que elas trazem. Quanto a nós, somente nós, sabemos como as ideias abordadas nesse Conclave nos contagiam, muito embora, diante da nossa pequenez espiritual, por certo, eu não estava presente. Você, certamente, estava. Valeu pelo chamado. Feliz Natal!

    ResponderExcluir
  3. Francisco Castro de Sousa20 de dezembro de 2016 21:28

    Desejo me manifestar sobre os dois comentário de uma vez só. Primeiro o comentário do Anônimo, não sei onde ele encontrou tanta coisa bonita nesse despretensioso texto. Tudo depende dos olhos de quem vê, e ele certamente o fez com os olhos da caridade! Segundo o comentário do Jorge Luiz, confesso que levei muito tempo para me imaginar fazendo parte daquele conclave, mas hoje tenho ficado em dúvida, devido aos trabalhos que estamos realizando, neles insiro este veículo, Canteiro de Ideias, e também o Antena Espírita, ambos penetram em mentes nunca antes imaginadas, são dois veículos que usam a internete e as ondas do rádio para chegar a locais dos quais não não temos a menor ideia, principalmente o Canteiro quem semanalmente atinge vários países e o Antena que segue na mesma estrada! Assim meus amigos, estando ou não estando naquele conclave, estamos fazendo a nossa parte, ou seja, apesar de entendermos que se trata de uma gota d'agua no oceano!

    ResponderExcluir