terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

NÃO HÁ DIREITO SOBRE A VIDA; HÁ DIREITO À VIDA¹









A concepção é o momento comprovado cientificamente da formação da pessoa, com direito absoluto à vida, sem nenhuma relativização. A vida humana é um bem anterior ao direito; logo, não existe licitude em qualquer ato que possa ceifar esta vida.
A afecção pelo zika vírus é uma calamidade e há décadas convivemos com o mosquito, sem gestão adequada da situação; e eliminar os bebês doentes não é a solução.

Na visão de mundo hedonista pragmático utilitarista, o ser humano é uma coisa indesejada quando não é útil à sociedade. Reivindicar o abortamento de um bebê microcefálico é uma cruel e degradante insânia coletiva. É transformar a criança indefesa, inocente, deficiente e vulnerável, em um sub-humano sem direito a cuidados especializados; aborto eugênico para eliminar bebês defeituosos, um holocausto. Isto é uma nefasta ruptura constitucional, discriminar um bebê deficiente, impondo pena de morte para um réu sem direito de defesa. Homicídio uterino pelo peso emotivo e econômico? Vamos eliminar o drogado, o senil e outros deficientes? O que é perfeição? A criança normal tem mais direito à vida? A medicina passará a exterminar deficientes físicos ou mentais, ao invés de curar, aliviar a dor, confortar? E as consequências biológicas e psicológicas do aborto, autêntica violência contra mulher?
O ser humano sempre será um fim em si mesmo; a criança não precisa ser perfeita, mas ter uma vida digna de ser vivida. O Estado existe em função da pessoa, sua principal atuação deve ser de acabar com a pobreza, prover educação integral, informação, condições sanitárias dignas, acesso a cuidados de saúde de qualidade e orientar o planejamento familiar. Urge amparar, proteger e respeitar a vida humana intra ou extrauterina, acolher a família. Não há direito sobre a vida; há um direito à vida.
Vamos eliminar o drogado, o senil e outros deficientes? A criança normal tem mais direito à vida?

*Eliane Oliveira é médica e professora doutora da Universidade Federal do Ceará (UFC)

¹Artigo publicado originalmente no jornal
O Povo, em 15.02.2016

4 comentários:

  1. Francisco Castro de Sousa16 de fevereiro de 2016 22:28

    Parabéns à Dra. Eliane Oliveira pelo excelente artigo em defesa da vida, principalmente a vida de quem ainda não pode se defender. Nesse momento em que muitos oportunistas aproveitam essa questão momentânea em relação à epidemia com o ZIK vírus, para defender suas ideias abortistas, vem a Profª Doutora Eliane com argumentos irrefutáveis que fazem calar o mais extremado, porque são argumentos de quem conhece a fundo a matéria que ela está tratando, não só pelo lado científico como também pelo lado espiritual. Repito, parabéns Profª Doutora Eliane Oliveira!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Dra. Eliane Oliveira pelo excelente artigo!

    ResponderExcluir
  3. Justos argumentos de quem entende do assunto.
    De pleno acordo com Francisco Castro de Sousa. Somente o "oportunismo" dos defensores do aborto - os de carteirinha, como é o caso do ex-ministro Temporão, que está em campanha - pode querer associar a epidemia à prerrogativa de matar inocentes.


    ResponderExcluir
  4. Francisco Castro de Sousa26 de setembro de 2016 20:50

    O momento não poderia ser mais apropriado para reprisar esse artigo da Dra. Eliane Oliveira! Concito aos leitores deste site que repliquem esse artigo, façam o máximo de divulgação com o fim esclarecer pessoas que estejam abrigando ideias abortistas!

    ResponderExcluir