segunda-feira, 27 de julho de 2015

APESAR DA CEGUEIRA E DA SURDEZ, PODEMOS VER E OUVIR¹

           


Por Roberto Caldas (*)


           Espécie em pujança sobre todas as demais espécies, os seres humanos ocupam privilegiada posição na teia da vida. Último vértice da criação da vida sobre a Terra foi aquele elemento após o qual, na linguagem figurada dos seis dias bíblicos, Deus descansou. Maior predador entre todos os animais é capaz de decidir quanto à existência dos próprios semelhantes. Dotado de inteligência criativa é capaz de resolver problemas das mais variadas escalas, inclusive consegue modificar o próprio ambiente quando necessário.
            A espécie humana é fisicamente frágil, pois escuta menos que um cão, enxerga menos que uma águia, é mais lerda que um gato, proporcionalmente tem muito menos força que uma formiga e menor resistência aos impactos do que uma barata. O enclausuramento no corpo físico nos faz capacitados para identificar próximo à décima parte dos estímulos que nos envolvem. È com essa escassa condição que pretendemos exibir as nossas teorias científicas como se definitivas fossem. É então que percebemos o quanto estamos distantes de um consolidado rastreio da realidade. E quão maior o campo de dores em que estagiamos, menor as nossas possibilidades de avaliação. Os nossos mais especializados aparelhos de detecção de imagens diagnósticas não captam os infortúnios que dificultam os dias das pessoas e ainda não se consolidaram em lesões visíveis aos seus espectros. Provável que tenha sido na direção dessa constatação que Jesus terá dito a Nicodemos, naquele célebre diálogo descrito em João (3, 7b a 15): ...Se não acreditais, quando vos falo das coisas da terra, como acreditareis se vos falar das coisas do céu?

            A Doutrina Espírita traz em sua essência uma revelação que desafia os conhecimentos amealhados pela humanidade no decurso desses milênios de construção da nossa civilização. Sendo mais preciso, o conteúdo de sua divulgação é uma releitura dos conhecimentos que desde a mais longeva antiguidade é repetida por diversas doutrinas do passado que indicava ser a nossa natureza uma associação de elementos materiais (o corpo) sob a direção de uma força invisível (o Espírito), lições repetidas entre os antigos chineses, que datam 10 mil anos antes da era cristã e até dos filósofos de Egito, e da Grécia que também viveram antes do advento de Jesus. Tais informações, antes do descortinar da mediunidade que trouxe as vozes do além para comprovarem a existência desse mundo paralelo, não passavam de simples dedução da realidade e compreendidas pela história como meras reflexões filosóficas.

            É natural, portanto que haja por parte dos nossos contemporâneos tantas dificuldades em entender o entrelaçamento das “coisas do céu com as coisas da terra” e busquem, ainda em vão, comprovar com a nossa pobre ciência as questões que envolvem uma metodologia científica que desconhecemos nas academias do planeta. Apesar de todas as virtudes que a espécie humana conseguiu colecionar, nos bilhões de anos de evolução que nos trouxeram até aqui, ainda precisamos caminhar muito para que se ampliem os ângulos de visão que nos capacitarão para a lucidez que a Era do Espírito nos proporcionará. Até que alcancemos essa condição mantenhamos a atitude serena, na certeza de que o Mestre Jesus nos aguarda a muito tempo embalado pela certeza de que olhos e ouvidos que vêem e escutam são capazes de extrapolar a clausura no corpo físico e crescem em entendimento na direção das realidades espirituais.

¹ editorial do programa Antena Espírita de 26.07.2015.
(*) escritor, editorialista do programa Antena Espírita e voluntário do C.E. Grão de Mostarda.

Um comentário:

  1. MAIS UMA VEZ UM COMENTÁARIO MUITO BOM. GOSTEI DAS COMPARAÇÕES DO SER HUMANO EM RELAÇÃO AOS ANIMAIS. MAS NÓS TEMOS UMA VAMTAGEM , SOMOS ESPIRITOS ENCARNADOS, QUE TEMOS A OPORTUNIDADE DE EVOLUIR, A CADA REENCARNAÇÃO QUE TEREMOS, CABE A NÓS RECONHECER ESTA CHANCE E PEGARMOS COM GOSTO DE GÁS.



    BRUNO PORTO FILHO

    SOCIEDADE ESPIRITA DR. ANTONIO JUSTA



    ABÇOS A TODOS.

    ResponderExcluir