quarta-feira, 7 de novembro de 2012

ENSAIO SOBRE O EGOÍSMO






“Mas se se limitassem a colher

da doutrina uma satisfação pessoal,

seria uma espécie de egoísmo.” (Allan Kardec)
 



Por Jorge Luiz (*)


Há uma década mais ou menos, os expoentes da oratória espírita Divaldo Franco e Raul Teixeira, em vários momentos advertiram-nos da possibilidade da Doutrina Espírita migrar do Brasil em decorrência da inépcia e negligência dos espíritas brasileiros.

Mesmo se tratando de duas personalidades honoráveis no meio espírita as preocupações passaram ao largo, o que é uma peculiaridade marcante em nossas hostes. É intrigante como uma Doutrina que conclama a uma virilidade no existir propicia uma cultura de posturas passivas e consciências silentes. Interessante notar neste aspecto é que, culturalmente, temos construído memes (replicadores de idéias, costumes, hábitos) com o propósito de justificar a passividade ante os desafios que surgem em torno do Ideal Espírita.

Cito alguns desses memes espíritas. Um: “estou fazendo a minha parte”. Dois: “irá responder no outro lado”. Três: “isso é falta de caridade”. Quatro:“... está obsedado”. Cinco: “Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho” etc. Estes memes são simulacros de abnegação, humildade, tolerância, caridade, compaixão etc. Quando arguidos, invariavelmente, busca-se manter em “zona de conforto”. São posturas individualistas e acríticas perante situações e comportamentos que comprometem a ética espírita.

Em muitas ocasiões recusam-se até a defender a Doutrina aviltada, pela ignorância travestida de bondade e doçura. Os memes apagam da mente as atitudes viris do Mestre Jesus como a da passagem em que empunha o chicote expulsando os vendilhões do Templo. Estamos na Terra para conquistar e defender a dignidade humana, sem nos curvarmos antes as investidas da impostura. Há egoísmo, como bem diz Kardec, quando os interesses individuais buscam apenas a satisfação pessoal.


Amor e respeito ao próximo não quer dizer anulação do discernimento e da personalidade, quer dizer compreensão. Precisamos amar, compreender e respeitar os outros, mas sempre nos lembrando do respeito que devemos ao Espírito da Verdade e à doutrina que ele nos legou, afirma o Espírito Emmanuel.
Interessante notar neste aspecto é que os replicadores memes integram a teoria do “gene egoísta” do zoólogo, etólgo neodarwinista, o queniano Richard Dawkins, o mais polêmico pensador materialista da atualidade. Ele afirma: “Este egoísmo do gene geralmente originará egoísmo no comportamento individual.” Para ele, da mesma forma que os genes se propagam no “fundo” pulando de corpo para corpo através dos espermatozoides e óvulos, da mesma maneira os memes propagam-se de cérebro para cérebro por meio de um processo que se pode ser chamado, no sentido amplo, de imitação. Os memes foram tomados de empréstimos no sentido agora de “linguagem viral", na web.

Um meme fértil plantado em uma mente pode parasitar o cérebro. Atrofia a capacidade do livre-pensar.

Percebemos um grande paradoxo. Os espíritas são reconhecidos no Brasil pelas iniciativas de benemerência social. No âmbito interno nossas ações não atingem o mesmo nível. Nossos comportamentos beiram à teoria de Dawkins. A seara espírita mostra-se terreno fértil para os memes de Dawkins. Qual o porquê disso?

Allan Kardec em Obras Póstumas elabora uma dissertação sobre “O Egoísmo e o Orgulho” onde ele afirma que o “Espiritismo é, sem contradita, o mais poderoso elemento de moralização, porque mina pela base o egoísmo e o orgulho, facultando um ponto de apoio à moral.”

Na questão 917 de “O Livro dos Espíritos” os Reveladores Espirituais asseveram que “o egoísmo se funda na importância da personalidade; ora, o Espiritismo bem compreendido, repito-o, faz ver as coisas de tão alto que o sentimento da personalidade desaparece de alguma forma perante a imensidade.”

Fica evidente que diante das afirmativas de Kardec e dos Espíritos que o Espiritismo não vem sendo compreendido na sua essência por parte de seus prosélitos, aqui no Brasil.

Enquanto nossas palavras não estiverem consonantes com nossos atos o movimento espírita brasileiro será um viveiro para a reprodução dos memes com o DNA do egoísmo.

O Espiritismo em sua Essência sobreviverá nesse cenário?

O Espírito Massilon, em mensagem inserida na Revista Espírita, abril de 1861, contribui para entendermos a posição de Raul e Divaldo:
            “(...) Esta criança não tem pátria; percorre toda a Terra, procurando o povo que há de ser o primeiro a arvorar a sua bandeira, e esse povo será o mais poderoso entre os povos, pois tal é a vontade de Deus.”

A derrocada da Europa. A revitalização do Cristianismo nos EUA após o atentado de 11 de setembro. O movimento crescente de transnacionalização do Espiritismo realizada por brasileiros para os EUA. Tudo isto aponta na direção da afirmativa do Espírito Emmanuel na obra a “Caminho da Luz”:“Condenada pelas sentenças irrevogáveis de seus erros sociais e políticos, a superioridade européia desaparecerá para sempre, como o Império Romano, entregando à América (1) o fruto das suas experiências, com vistas à civilização do porvir.”

            Será?
           
(1)   Consideramos América como é conhecido o EUA e não as Américas – do Norte, Central e do Sul, como Continente.

(*) Personal & Professional Coach, aposentado do BB, expositor espírita, livre-pensador e voluntário do Instituto de Cultura Espírita


7 comentários:

  1. Meu Caro Jorge,
    parabéns pelo texto: pela lucidez e oportunidade do tema. Prossiga meu jovem você vai longe!
    Castro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo Castro!
      Grato pelo estímulo!
      Caminhemos!

      Excluir
  2. Parabéns! Muito Obrigado pelo belo texto!!

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. A questão da zona de conforto é séria.

      Sem discordar de suas palavras, acho que se tornar espírita nesse nosso mundão materialista e hedonista, mesmo um espírita meio "torto"(rs) já pode ser um bom começo, visto que nosso planeta ainda recebe espíritos necessitados de reajuste.

      Concordo, plenamente, quando diz que não devemos ser seres passivos - algo que levo para dentro da casa espírita - devemos agir sempre, mas, com respeito ao compaheiro irmão de jornada como ressaltou.

      É preciso ser um ser ativo no movimento, porém, levando nas palavras e comportamentos o respeito ao próximo para que todos possam ter a oportunidade de exterminar a cada novo dia um pouco deste egoísmo que ainda carregamos.

      Grande texto, amigo Jorge!!!

      Excluir
  4. sempre esperamos demais dos outros e cobramos de menos de nós mesmos ótimo texto pra refletir e por em prática valeu muito bom grata,mira.

    ResponderExcluir