quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

UM TAL SR. M...


                        
 
          Anos atrás o pesquisador espírita Clóvis Nunes falou de um suposto encontro entre Allan Kardec e Karl Marx. Ele se escorou em duas mensagens insertas em Obras Póstumas, de 30 de abril de 1856 (saiba mais) e de 12 de maio de 1856 (saiba mais). Leia-se um trecho da primeira, em que o Espírito se refere a um dos presentes, que para Nunes seria Marx:

“A você, Rivail, sua missão está aí (livre, a cesta virou fortemente para meu lado, como o teria feito uma pessoa que me indicasse com o dedo). A você, M..., compete a espada que não fere, mas que mata. Contra tudo o que existe, será você que virá primeiro. Ele, Rivail, virá em segundo lugar, é o trabalhador que reconstrói o que foi destruído”.

          Leia-se o trecho do comentário de Allan Kardec, ao final da mensagem:


“O Sr.  M..., que assistia a essa reunião, era um jovem com as mais radicais opiniões, comprometido com negócios políticos, obrigado a não se colocar  muito  em  evidência. Acreditando em uma agitação próxima, preparava-se para tomar parte e combinava seus planos de reforma. De resto, era um homem doce e inofensivo.”

          O movimento espírita, afeito às novidades, encampou logo a ideia sempre com aquele propósito desnecessário, de validar o Espiritismo a nomes de destaques.
Na realidade, O Sr. Nunes não apresentou nenhuma evidência palpável para a sua afirmação, coisa inóspita ao Espiritismo. Algumas considerações sobre a afirmativa:

a)    Karl Marx residiu em Paris de 1843 a 1845, quando foi expulso da França a pedido do governo Prussiano;
b)    Em 1949, depois de muitas peripécias, Marx e a família chegam à Paris, mas é proibido de fixar residência em território francês. Graças a uma campanha de donativos, eles migram para Londres, onde Marx reside até a sua morte, não mais retornando à França. Seu corpo foi sepultado no Cemitério de Highgate, em Londres;
c)    Karl Marx não é o tipo caracterizado por Allan Kardec em seus comentários: “comprometido com negócios políticos, obrigado a não se colocar muito em evidência.” Basta-se olhar a sua tumultuada biografia.
d)    Lê-se na segunda mensagem, falam das boas ideias do Sr. M.... Na sequência, Kardec indaga se poderia “manter relações de amizade com ele.” É desaconselhado. Manter é permanecer. Um encontro fortuito não significa amizade, ainda mais se tratando das personalidades de Karl Marx e Allan Kardec;
e)    Pelos comentários de Kardec é fácil de compreender que ele conhecia o Sr. M... de há muito tempo, basta ver a mini biografia de Kardec escrita por Lachâtre, extraída da obra Nouveau Dictionaire Universal, editado em 1867;
f)     Há uma breve referência de Marx ao fenômeno das mesas girantes, quando ele faz se referindo ao fetichismo da mercadoria, na obra O Capital, muito embora ele o qualifique como uma forma de “obscurantismo”, em comparação ao movimento Taiping na China.

          O Sr. M..., de Allan Kardec, pelo que apontam as evidências, é Maurice Lachâtre, o livreiro e que, poucos sabem, foi sócio de Allan Kardec, quando esse tinha 35 anos, em um Banco, mas especificamente, uma cooperativa de crédito, denominada “Sociedade Delachâtre e Rivail.” Logo em seguida Lachâtre se estabelece como livreiro. Através de Lachâtre é que Kardec teve contato com as ideias de Karl Marx, e que são consideradas na reunião mediúnica.
          Ainda jovem, Maurice Lachâtre esposou as ideias de Saint-Simon, um dos primeiros socialistas utópicos, falecido em 1825. Pela sua discrição, tornou-se um discípulo à margem, não havendo registro dele nas listas dos afiliados mais conhecidos. Sozinho, ele saiu a pregar as ideias saint-simonianas pelas estradas da França.
          Há uma convergência nos pensares de Lachâtre e Kardec, enquanto coexistiam ideias revolucionárias, homeopatia, feminismo, magnetismo, vidência e que enriqueciam o primeiro socialismo.
          A relação de amizade entre os dois era tão forte que no ano de 1850 nasceu a primeira filha de Lachâtre e recebeu o nome de Amélie, sem sombra de dúvidas, em homenagem a doce Gabi, esposa de Kardec, que assim se chamava.
          Maurice, durante a segunda República, escreveu duas obras publicadas em 1849. A primeira, O exército, sua organização, seus direitos, seus deveres, é uma crítica da instituição militar e uma proposta de reforma; a segunda, A república democrática e social. Exposição de princípios socialistas e sua aplicação imediata na França é uma síntese da maior parte das correntes socialistas de meados do século XIX.
          Um fato marcante ocorreu em 1851 quando Lachâtre se tornou amigo de Pierre-Joseph Proudhon, filósofo político e econômico francês: foi membro do Parlamento Francês e um dos pais do anarquismo e do mutualismo,
          Proudhon atraiu a atenção de Karl Marx e começaram a trocar correspondências. Os dois se influenciaram mutuamente. Encontraram-se em Paris por ocasião do exílio de Marx. Marx traduziu obras de Proudhon para vários idiomas. A amizade de ambos finalmente chegou ao fim quando Marx respondeu ao seu texto Sistemas de contradições econômicas ou Filosofia da miséria com outro provocadoramente intitulado Miséria da Filosofia. Proudhon acreditava que a revolução social poderia ser alcançada de forma pacífica.
         
          No ano seguinte, Lachâtre que acalentava o ideal de ser um reformador social, colocou em prática suas ideias e, ao mesmo tempo, combater o regime com o livro. (grifos nossos). Aliás, esse assunto é tratado por Kardec com o Espírito da Verdade, que, segundo Lachâtre, foi ouvido através de uma médium essas previsões.

“(...) Acreditando em uma agitação próxima, preparava-se para tomar parte e combinava seus planos de reforma. (...).”

          Seus projetos sociais se desenvolvem no vilarejo de Arbanats. Nesse período, ele dividiu seu domínio e o vendeu em parcelas com condições acessíveis a todos. 102 pessoas compraram os terrenos, beneficiando-se de um crédito de mais de trinta anos, numa época em que o sistema bancário não existia. Para viabilizar esse serviço ele criou um banco de trocas, inspirado no Banco do Povo de Proudhon. Seu projeto foi global. Ele quis fundar no vilarejo uma comuna-modelo. Seu propósito foi de multiplicá-la e inseri-la no conjunto da nação.
          Lachâtre soube entretecer canais muitos diversos. Contudo, tantas ações suas irritaram o poder e os protetores não puderam garanti-lo por mais tempo. O poder atingiu o livreiro através de suas publicações.
          Iniciado em 1851 e só acabado em 1857, juntamente com o início do Espiritismo, preparou um Dicionário do Povo, que quando da sua publicação recebeu o nome de Dicionário Universal. Na obra, ele reuniu uma dúzia de editores que, em sua maioria, participaram da Revolução de 1848 e eram opositores do Império. Foram adeptos dos socialistas utópicos, Charles Fourier e Saint-Simon, militantes do mutualismo e da cooperação. A obra aborda temas marcantes, inclusive sobre o fenômeno das mesas girantes. As teses comunistas são nele defendidas:

“Restitui aos proletários os instrumentos de trabalho, sobretudo a terra, e transformará a economia pública de tal forma que o ganho, os frutos e a riqueza só se acumularão de maneira justa e em razão do trabalho de fato”.

          Lachâtre enfrentou problemas com a publicação dos Mistérios do Povo, de Eugene Sue, que se convertera ao socialismo. Era um romance-folhetim que foi vendido em fascículos e entregue em domicílio. Dessa forma, ele atingiu os desafortunados e permitiu contornar a censura.
      A partir de 1850, os aborrecimentos começaram e as impressões foram confiscadas. Foram necessários oito anos para que o romance fosse terminado, exatamente em 1857. Nesse ano, a justiça apertou a perseguição e sessenta mil exemplares foram apreendidos. Depois, decidiu-se um processo. Lachâtre foi condenado a um ano de prisão, pena considerada alta. Todos os exemplares dos romances foram destruídos, provocando uma perda financeira considerável.  Seu dicionário foi confiscado e condenado à destruição, ficando nos anais da história como o único caso de um dicionário de uma língua a receber uma condenação no século XIX.
          A justiça não dá trégua e em 6 de abril de 1859 o condenou novamente como autor do Dicionário Francês Ilustrado. Esperando apenas prescrever, o livreiro se exilou em Barcelona, onde KARDEC, A|llan. Obras póstumas.  Brasília. FEB. 1987; viveu de 1858 a 1864. Em Barcelona, Lachâtre foi um dos personagens do Auto-de-fé de Barcelona, quando decidiu, de forma legal, trezentos livros, brochuras e revistas espíritas, adquiridas a Allan Kardec, que foram declarados na alfândega, mas apreendidos pelo arcebispo de Barcelona, Antoni Palau i Térmens, para logo em seguida todos serem queimados por se tornarem “contrários a fé católica” e que poderiam “perverter a moral e a religião de outras regiões”.
          Frente a todas essas narrativas é perfeitamente compreensível a precaução que o Espírito da Verdade imprime a Kardec, pois sem sombra de dúvida, a aproximação dos dois poderia trazer prejuízos consideráveis ao lançamento de O Livro dos Espíritos.

          Portanto, fica descartada a frágil opinião do confrade Clovis Nunes, acerca da possibilidade do Sr. M..., ser Karl Marx...

...de hoje em diante Sr. M... foi, indiscutivelmente, Maurice Lachâtre.

Bibliografia
DIVERSOS. Em torno de Rivail. Bragança Paulista-SP: Lachâtre, 2004.
INCONTRI, Dora. (organizadora). Educação, espiritualidade e transformação social. São Paulo: Editora Comenius, 2014.
KARDEC, A|llan. Obras póstumas.  Brasília. FEB. 1987;
MARX. Karl. Miséria da filosofia.. São Paulo: Boitempo Editorial, 2017.



3 comentários:

  1. Caro amigo Jorge, li atentamente essa peça histórica que você produz e, sem qualificação crítica para julgamento, confesso que os argumentos a mim parecem bastante razoáveis e justamente pela coleção de evidências que indicam enorme vinculação do Codificador com aquele que viria ser um dos editores da obra espírita. Grande abraço. Roberrto Caldas

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo,
    Por isso mesmo, sua opinião é importante, pois não existiu o prévio julgamento do assunto. Grato!
    Jorge Luiz

    ResponderExcluir
  3. Li e reli. Cuidadoso resgate histórico que desconstrói uma afirmativa e sela o entendimento do verdadeiro personagem sinalizado por Kardec. Essa tendência de vários confrades em afirmar a falha da missão de Karl Marx me soa um posicionamento conservador as ideias revolucionárias. Parabéns! Continue a nos presentear.com suas pesquisas e produções! Luciana Pinheiro

    ResponderExcluir