domingo, 18 de março de 2018

'PÁTRIA-CÁRCERE" DO EVANGELHO


           




         Recente matéria mostrou que os médicos canadenses protestaram contra o aumento de salários. Você não leu errado. Os profissionais alegam que já são bem pagos, e que não seria justo receber um salário maior enquanto outros profissionais da saúde trabalham em condições precárias. No Brasil, juízes federais ameaçaram fazer greve em decorrência da discussão que se estabeleceu sobre a verba auxílio-moradia no valor de R$4.300,00, um dos diversos penduricalhos agregados aos seus salários que os fazem passar da casa dos três dígitos. Mas o pior é que o problema que afeta a economia do Brasil é o auxílio bolsa-família no valor de R$70,00, pagos às famílias miseráveis dos diversos grotões desse país, reclama a burguesia brasileira.

          Violência. Corrupção. Desigualdade Social. Miséria. Narcotráfico. Fundamentalismo religioso. Homofobia. Misogenia. Fascismo. O Brasil é uma sociedade totalmente disfuncional.
          Esse paralelo é traçado para que se possa entender o desnível de humanitarismo que separa essas duas Nações. Ademais, que faz com que alguns espíritas e a própria Federativa Nacional acreditem que o Brasil é a Pátria do Evangelho, estando presente tal indigência moral?
          A discutível obra ufanista do Espírito Humberto de Campos – Brasil Coração do Mundo Pátria do Evangelho – pela pena mediúnica de Francisco Cândido Xavier, levou os dirigentes febianos à época, a adotá-la como bandeira, e a exemplo do povo hebreu de outrora, avocou para si a condição responsável pela direção do povo escolhido, nomeando o anjo Ismael para ser substituto do Javé daqueles tempos. O Brasil é o novo povo eleito de Deus.
          Esta hipótese de Campos é meramente uma opinião pessoal, unicamente de caráter pessoal, cuja autenticidade derrete-se como cera sobre vela quando submetida aos controles kardecianos – razão e ensino universal dos espíritos. Sobre o último Kardec enuncia na Revista Espírita, abril de 1864:

“Uma só garantia séria existe para o ensino dos Espíritos: a concordância que haja entre as revelações que eles façam espontaneamente, servindo-se de grande número de médiuns estranhos uns aos outros e em vários lugares."

          Divaldo Franco, em entrevista ao jornal Goiás Espírita, no ano de 1993, foi indagado:


“GE – A Doutrina Espírita apresenta o Brasil como sendo a “Pátria do Evangelho”. Contudo, o que se vê é o índice crescente de marginalidade e criminalidade. Não existe aí um contrassenso?
Divaldo – A expressão “Pátria do Evangelho” não é da Doutrina Espírita. Está inserta numa obra de Humberto de Campos e trata-se de uma colocação emocional do literato que ama a sua pátria. (...)”

          Busque-se trilhar novos caminhos dos já percorridos acerca desse imbróglio criado. Verifique-se que o Brasil tem pouco mais de quinhentos anos de civilização. Há de se convir que seja um tempo diminuto para os avanços conseguidos pelo progresso intelectual e mesmo moral. Fica patente que esse progresso não foi obtido pelos Espíritos autóctones – made in Brazil – e sim de levas de Espíritos de outros países que vieram degredados para cá. Assim como nos Mundos, também nas Nações. Imigração de povos. Imigração de Espíritos. Como atesta o Espírito Deolindo Amorim, psicografia de Elzio Souza, na obra Espiritismo em Movimento:

“Uma quantidade considerável de Espíritos ligados à civilização francesa transferiu-se, por tal razão (difusão das ideias espíritas), para o Brasil, em meados do século passado, buscando novos ares onde pudessem, em face das dificuldades, enfrentar os desafios da mudança, na conquista da humildade, fraternidade e solidariedade.”

          Idênticas situações se têm também de outros países. Como se pode notar, o trabalho para se elevar o padrão intelectual, moral e espiritual das criaturas exige sempre a participação dos dois grupos interessados – desencarnados e encarnados.
           Lembrando Jesus em um dos seus diálogos com os escribas e fariseus, no evangelho de Marcos, 2:17, quando ele afirma:

“Os sãos não necessitam de médico, mas, sim, os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores ao arrependimento.”

O que há no Brasil são Espíritos degredados de outras Nações, em processo de soerguimento moral – provação ou expiação – à luz do Evangelho Redentor. O Brasil é Pátria sim, mas “Pátria-Cárcere do Evangelho”.
           Assim, fica mais compreensível a obra ufanista do Espírito Humberto de Campos. Precisa-se acabar com esse nonsense!


Referências

SILVA, Gélio Lacerda. Conscientização Espírita. São Paulo: EME, 1995.
SOUZA, Elzio F./Esp. Deolindo Amorim. Espiritismo em movimento. Bahia: Circulus, 1999.


2 comentários:

  1. Francisco Castro de Sousa18 de março de 2018 23:09

    Jorge, embora teu artigo seja bastante audacioso, de certa forma, percebe-se nele uma certa coerência com a realidade desse nosso País Continente. Até porque, o Movimento Espírita Brasileiro ainda se encontra, de certa forma, encarcerado intramuros do Órgão Federativo Nacional. Aguardemos as repercussões, a não ser que imaginem que você não passa perturbado, envolvido pelos Espíritos trevosos e que não mereça nenhuma credibilidade! Repito... aguardemos!

    ResponderExcluir